Aniceto do Império: O Velho Menino Mestre Partideiro

Aniceto de Menezes e Silva Júnior, ou “só” Aniceto do Império (Rio de Janeiro, 11 de março de 1912 – Rio de Janeiro, 19 de julho de 1993). Na verdade, sua data de registro é dia 22 de março, devido ao atraso de seus pais em registrá-lo. Nascido no Estácio, terra e tempos de gente muito boa pro Samba, morou em diversos bairros até se “albergar” na Serrinha, onde freqüentava a Prazer da Serrinha. Em decorrência, foi um dos fundadores do Império Serrano. Mas a praia onde Aniceto tirava muita onda mesmo não era nas passarelas de samba dos carnavais da vida, era justamente na outra ponta da coisa. Enquanto o universo das escolas de samba era extremamente organizado e cheio de regras e detalhes, Aniceto se tornou mestre mesmo foi em manter a cultura viva através do partido alto.

A arte de se comunicar sempre foi o forte do velho mestre. Considerado por professores da escola como um obstáculo às aulas, por causa da facilidade de se expressar e as conseqüentes intervenções em sala, acabou abandonando os estudos aos 14 anos, sem que tivesse completado o primário. No Império Serrano teve cargo de orador oficial. Surpresa, não? ;p

Não só de samba vivia Aniceto. Ele era estivador e líder do Sindicato dos Arrumadores. Convivendo no cais do porto, área conhecida do Rio de Janeiro pela importância histórica desde a época da escravidão até o estabelecimento da população negra que vinha da Bahia para a região – que foi cenário para os primeiros passos do samba urbano – se mostrou um talentosíssimo e muito admirado partideiro. Fez parte de diversos blocos, mas não foi grande representante de nenhum, nem agremiação de escola de samba, apesar de ter fundado o Império de Madureira, preferia os terreiros e quintais. Também entendia muito de jongo, embora não se julgasse um grande jongueiro, ao contrário da arte de versar, arte essa que, sim, tinha plena consciência de ser ‘doutor’.

Fãs famosos, como Martinho da Vila, Clementina de Jesus e Dona Ivone Lara já elogiaram sua vivacidade em ser versador, sempre fazendo menção ao seu estilo jovial, moleque de cantar. Falando em estilo, foi criador de um estilo de partido alto onde os versos são intercalados com o coro em respostas alternadas, como é o exemplo de Desaforo (gravado com participação de Martinho da Vila) e Dora (sucesso nas regravações de Arlindo Cruz e Revelação). Como não se tem registro dessa modalidade sendo feita antes, o que é perfeitamente possível, mas vá lá, precisamos lidar com fatos aqui, o precursor reconhecido é o menino Aniceto mesmo.

Sendo essa escola de cultura negra, Aniceto recebeu muita gente boa para trocar uns passes musicais, como João Nogueira (Entrevista) e Dona Ivone Lara (Quem é teu pai), mas a parceria mais famosa é mesmo com seu – dito pelo próprio mestre – irmão, Nilton Campolino, com quem gravou O Partido Alto de Aniceto & Nilton Campolino – parceria mais do que feliz, a exemplo de Nei Lopes e Wilson Moreira. Enfim, Candeia já gravou Maria Madalena da Portela, com participação de Aniceto, e Beberrão, num pout-pourri que unia também a canção O Invocado. A curiosidade é a faixa Mulher na presidência. Se estivesse vivo, ou vendo de onde quer que esteja, será que ele ainda sustentaria o verso que diz “se acaso acontecer uma mulher na presidência, é sapiência, é sapiência”? Ratinho nho nho! Como diria Leci Brandão “deixa pra lá”.

Faleceu em 1993, aos 81 anos, em decorrência de complicações causadas por diabetes. Deixou uma herança muito rica em cultura negra, sobre jongo, samba e candomblé, elementos da cultura afro dos quais entendia e ensinava muito bem.

Leia mais aqui, aqui também e aqui.

Confira aí, um dos partidos que mais gosto cantado por dois de meus mais admirados ídolos da cultura afro: Aniceto do Império e Martinho da Vila.

Anúncios

Sobre Fernando Sagatiba

Negro, jornalista, sambista, desenhista, sarcástico e um pretenso auto-proclamado observador da problemática contemporânea. Filiado à UNEGRO-RJ.
Esse post foi publicado em Tesouros do Samba e marcado , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para Aniceto do Império: O Velho Menino Mestre Partideiro

  1. aniceto santos disse:

    Grande ser humano
    Gostei muito
    SAber sua beugrafia
    Adorei sua música.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s