Globeleza, feio é o preconceito e a opressão à mulher negra

Nota do autor: Antes de mais nada, deixo estabelecido que este é um artigo de repúdio à piada preconceituosa sobre a beleza da nova Globeleza. Sim, sou contra a iniciativa global, mas é uma jovem que se pôs à disposição de uma das raras situações em que ela sairia como protagonista e não coadjuvante, tendo em vista o racismo da grande mídia no Brasil.

Isso não é piada, é um preconceito elitista, racista e sexista.

Isso não é piada, é um preconceito elitista, racista e sexista.

Tá certo, o mal já está feito e não dá pra voltar no tempo e convencer a Globo a parar com essa folclorização do corpo negro. Depois da saída de Aline Prado, promoveram um concurso só de negras pra eleger a nova mulata (?!) Globeleza. Escolheram. E, diante das pseudo-críticas – na verdade,  julgamentos de rótulos pré-programados – resolvi dar asas à minha inquietação sobre a nova negra “mulata” Globeleza. Antes, vamos situar o caríssimo leitor.

Escrevi uma crítica/carta aberta sobre a visão global sobre o negro e, sobretudo, sobre a negra, que nunca é nem 1/3 da participação de concursos ‘não folclóricos’ como Menina Fantástica ou Musa do Brasileirão, mas é a primeira a protagonizar certames bundísticos que só duram uns 3 meses (como a própria Globeleza ou Musa do Caldeirão). Dito isso, eu sabia que, mais cedo ou mais tarde, voltaria ao assunto pra comentar a repercussão do concurso e da vencedora. Pois bem, Nayara Justino, 25 anos, foi a eleita. Fico com uma certa apreensão quando vejo esse discurso “era meu sonho de infância”, pois, pode até ser político falar assim, mas denuncia o quanto nossas meninas negras são influenciadas a querer estar “no seu lugar” (ela chegou a declarar que ia desistir de estudar Educação Física para tentar a dança ou artes cênicas). Sabe, isso porque ela não poderia ser paquita, para coleguinha do Caldeirão ou bailarina do Faustão, teria que disputar uma ou duas vagas, que é o que sobra para dançarinas negras; e também não teria como sonhar em ser morena/loira do Tchan, pois são ambientes de exclusão do negro – aliás, muita vergonha do É o Tchan por promover esse termo ‘morena’ sendo o grupo oriundo do Estado mais negro fora da África, mas estou divagando.

A questão, ou melhor, as questões, aqui são outras. Primeira coisa, vi críticas infantilóides à beleza da jovem e questionamentos sobre a não escolha por uma “mais bonitinha”. Segunda questão, o que é beleza? Quem é essa beleza padrão que faz com que mais de meio mundo seja ‘mais ou menos, mais ou menos’? Mais do que discutir o sexo dos anjos – safadeeenhos – essas questões me colocam em posição de tentar teorizar que a construção social do que se entende por beleza física é uma bobagem que varia de local para local e de tempo para tempo, além da questão racial, pois, é muito específico o biótipo negro a ser admirado. Há décadas, mulher bonita era natural, macia, hoje, as saradas ganham noticiários só por entrar em academias e serem fotografadas, por exemplo. Vamos às considerações.

Primeiro, acho Nayara uma bela mulher. Notou? Não falei uma bela mulata ou uma bela negra, como costuma se falar, dando exata noção de que trata-se de um tipo diferente, uma coisa a ser adjetivada e não uma pessoa com sentimentos e nenhuma necessidade de agradar a gostos particulares, em se tratando de uma passista, ela tem que sambar e sambar bem. Pelo que vi, isso ela faz. Agora, observei críticas tão variadas que só pude concluir, com o perdão do clichê, que é falta do que fazer de quem fala. É simples, vi gente reclamando que Nayara tinha que ser mais mignon, como suas predecessoras, mais bonita – como sei lá quem seja a referência de beleza única e mundial – entre outras coisas genéricas que só tentam cagar regra e definir padrões que não fazem diferença.

Vamos pela primeira contestação: Se ela tem que ser mignon, mais fininha, mais “modelo de passarela” como suas antecessoras, isso ninguém ditou, até porque outros traços de antes não se repetiram nela, como as feições finas, a pele negra mais clara e os cabelos tratados por “alisamento” – caso de antecessora, Aline Prado. Sendo assim, não há um modelo físico específico, ou melhor, o modelo já é o fato de serem dançarinas negras apelidadas de mulatas, sambando em motivos coloridos e digitais durante o início de ano até o carnaval. Dizer que ela é muito corpulenta, como ouvi de pessoas próximas, é ignorar que negros também têm biótipos variados. Essa atual é uma negra mais típica do que as negras ‘embranquecidas’ de antes. O que eu vi foi uma jovem de curvas harmoniosas e com samba no pé. DANE-SE se ela não é fininha ou “bonita” como as outras. A beleza não é um manual, que você olha e fala “É/Não é” e, pronto, tudo resolvido. Há umas minúcias, um clima, um astral que a pessoa precisa passar pra ser bonita, não adianta formas. Se não, um dodecaedro poderia posar numa revista, ele também tem formas.

Puxando já o assunto pra esse lado, a construção social do que é bonito. Se Nayara fosse realmente “feinha” ela não teria a votação do público. Ela foi escolhida pelo público, ou seja, quem votou nela, se viu representado. Essa lenda de que pobre e preto gosta de ver riqueza na TV pra sonhar com o que nunca vai ter é uma das mentiras mais bem interpretadas desde “manga com leite faz mal”. Há um tempo, li uma pesquisa que dava conta de que a maioria gostaria de ver mais negros na TV, mesmo ainda dando audiência às emissoras, por pura inércia cultural, isto é, quanto mais se vê na TV, mais o público se agrada, até porque a visão sobre o pobre já mudou muito nos últimos anos. Basta ver a ascensão da chamada Classe C, se esse pobres com “hype” de classe média tivessem tal aversão à sua própria realidade, núcleos como o do bairro do Divino – uma apologia a Madureira –, na novela Avenida Brasil, não teriam o sucesso que tiveram e as Empreguetes não emplacariam músicas em DVDs populares.

Outra, vi comentários e montagens cruéis sobre a nova Globeleza. Vi uma montagem pejorativa em que comparava a nova musa do carnaval global a Leandro Firmino da Hora, quando interpretou Zé Pequeno, em Cidade de Deus (a que eu fiz a montagem lá no início do texto). Ok, respirei fundo pra responder essa questÃ. Esbarramos na construção social do gosto por beleza física etnocêntrico. Conheço muito poucas pessoas que realmente olham formas procurando beleza e não defeitos. Fazendo um adendo, as pessoas estão acostumadas a escolherem seus ídolos e querer que os outros estejam em pé de igualdade, daí, nascem os padrões de comparação de beleza. Por exemplo, se você vê gente branca em 95% das produções televisivas e os 5% negros, quando não alívio cômico ou capatazes de vilões, conseguem alguma proeminência de beleza, você conta nos dedos: Taís Araújo, Juliana Alves, Cris Vianna, Camila Pitanga e, quem sabe, uma globeleza aí.

Modelo de beleza negra muito restrito, não acha? Além do que, insinua que negros são tão genericamente iguais, que pessoas que nem se parecem possam ser comparados, por puro deboche. Quem disse que tanto Leandro quanto Nayara são feios? Eu não vejo traços tão deformados – em relação a uma estátua grega, como parece ser o padrão – que os façam pouco fotogênicos. Aliás, é bom lembrar, fomos invadidos (UIA!) e colonizados por europeus, mas a maior parte da população, devido ao tráfico de gente negra africana pra cá, é negra, índia, parda, mestiça, etc. Quando a corte real portuguesa veio pra cá, trouxe umas 15 mil pessoas, mas aqui já havia 23 mil, sendo a maioria de escravos. Faça as contas e veja que tipo de beleza física deveria ser a referência, dado o traço comum mais recorrente da população. Sim, negro! Acho muita maldade querer que escolham uma mais bonita sem contar o samba no pé, carisma e outras coisas que é o que te vale na hora de formar redes de relacionamentos em sua vida pessoal.

É só colocar mais umas 3 aí e você terá toda a participação negra com algum destaque na programação. Tá fácil de o negro e a negra se identificarem? E mais, tá fácil de você não achar que o negro tem que parecer branco pra agradar seu bom e exigente gosto por estética racial?

Basta ver como, independente da estética, você sempre comenta as fotos dos seus com “tá linda, amiga”, “olha o cara, bonitão”. Como seus entes queridos são tão lindos se a maior parte não obedece aos critérios excludentes da moda? Promete que vai pensar nisso pro titio Saga entender mais sobre as nuances confusas dos gostos sociais inventados? Ah, tá, então eu prossigo. A referência negra é tão diminuta na cultura pop porque somos maioria na população, mas a minoria que comanda a comunicação no país é branca e elitista. Falta gente nossa lá por trás das câmeras, na direção, nos roteiros e essas coisas, pois, eles sempre nos verão como um ser exótico. Mas meu ponto eu defendi, beleza não põe mesa e, já que a globelezação é inevitável, que se defenda o talento da escolhida e não uma suposta feiura que só existe na cabeça de quem se influencia por revista de moda e futilidade. Fizeram piada com a Miss França mestiça, com a Menina Fantástica paraense e com a Miss Angola/Universo negras, mas não fizeram piada com todas as outras. E aí?

É por isso que eu não julgo uma moça que entra nesse tipo de concurso. Olhe bem, com atenção, me diga o que você vê… ou melhor, o que você não vê. Sim, que menina negra não adoraria trabalhar com a Xuxa? Mas a Xuxa não tem espaço pra elas. Resta o quê? O carnaval, onde a loirinha pagaria mico se expondo assim.

Sabe o que dói? Ler na internet coisas como “o maior desafio de suas vidas”, falando das três finalistas do concurso Globeleza 2014, como se moças negras não fossem mais nada na sociedade, como se o concurso fosse um favor a elas. E, mesmo nesse universo televisivo restrito, onde a negra consegue sair da cozinha, vai para o palco sob olhares desejosos de que vá para a cama, pois é isso que vende a imagem da mulher brasileira, sobretudo negra, a sexualização de seu corpo como que feito pra servir aos anseios de quem quer ver sua beleza exótica em prática (nessa hora, os mulatólogos acenam com a cabeça ‘siiiimmmm’).

Antes de terminar, lógico, não poderia esperar outro post sobre isso – até porque não prometo voltar nesse assunto tão cedo – lanço-lhes um dilema pegando carona no livro/filme Ensaio Sobre a Cegueira. Não li o livro de Saramago e não assisti ao filme de Fernando Meirelles, mas questiono: Se todos fossem cegos, quem seria bonito? Hein? Hein?

Anúncios

Sobre Fernando Sagatiba

Negro, jornalista, sambista, desenhista, sarcástico e um pretenso auto-proclamado observador da problemática contemporânea. Filiado à UNEGRO-RJ.
Esse post foi publicado em Comunicação UNEGRO e marcado , , , , , . Guardar link permanente.

175 respostas para Globeleza, feio é o preconceito e a opressão à mulher negra

  1. Quando comecei a me entender por gente na sociedade,comecei a ver isto e mais um pouco que você disse,novelas da globo?Odeio negro em novelas de época onde são na maioria escravo se não sendo escravos e papéis humilhantes sem muita importancia enquanto nos Estados Unidos,negro é até presidente,sim eu sei eles também são racista,mas a mídia de lá dá de mil a zero na daqui,onde pessoas que 80%por são pardos ou têm algum traço de negro e vivem te colocando pra baixo….

  2. Edson Ribeiro disse:

    Existem tantos vieses culturais por trás da imagem da mulher negra despida como síntese do carnaval brasileiro. O carnaval por aqui não começou quando o Hans Donner resolveu mostrar a esposa e se colocar na típica condição de europeu que veio para cá e se deu bem. Nem se resume ao Rio e ao samba. É formado por tantas manifestações culturais, que são feitas ao som de ritmos desenvolvidos também sob a influência negra, mas que permanecem lá nas cidades obscuras, à beira da extinção. O fato de essas manifestações exigirem trajes próprios, com forte simbologia, de épocas em que carnaval não era a nudez, mas a fantasia e a dança, mostra que há mais coisas para representarem o carnaval brasileiro que a negra que saiu do show de mulatas para inglês ver e acabou como passista desfilando só de adesivo na passarela do samba. Seria interessante poder ver o carnaval como uma festa cultural fermentada nos caldeirões das senzalas, das fazendas, das favelas, mas hoje ele se torna apenas a festa da sexualização que pode atrair turistas que estão se lixando para o que o carnaval representa como cultura.
    Outra coisa: a ideia da beleza da mulher negra como imitação dos traços da branca ou apenas como sexualização do corpo tem um forte apoio, por exemplo, nos concursos feitos com as adolescentes nas escolas públicas. E comum, hoje, que as negras desfilem como atração no Dia da Consciência Negra (e os meninos lutam capoeira), mas quase sempre sob vaias de quem as vê apelando para roupas exíguas e insinuações de sensualidade, mesmo as garotas de 11 anos. É comum deboches do tipo “olha a Globeleza”. As mesmas escolas que também fazem um desfile de garota primavera, em que as meninas mostram trajes sociais e nos quais a presença das negras é raríssima. A beleza destas é imediatamente atrelada à condição de menina que não tem pudor de desfilar quase nua, enquanto a beleza das demais é a da garota que a própria família vai até lá aplaudir.

    • Pois é, eu também já pesquisei sobre isso, mas como eu disse no texto, é uma questão cultural cruel, como uma jovem vai olhar pela TV e não sonhar em ser Globeleza? Eu acho essa iniciativa rotuladora ao extremo, mas não julgo, assim como não julgo o menino pobre que prefere investir no futebol do que nos estudos ou a menina que dança funk, por exemplo. Há toda uma necessidade de conscientização do negro desde pequeno para se reconhecer negro e não ver nisso um defeito. Assim, vamos aprender a contestar, a observar e exigir respeito como se deve e não aceitar esses lugares estereotipados. Obrigado pelo comentário com tanto conhecimento sociológico.

  3. Fernando disse:

    Nunca li tanta merda na minha vida!!!
    E se fosse uma loira de olhos azuis? E se fosse uma descendente de asiáticos?
    Gente, parem com isso! Vocês estão criando mais racismo!
    Não se esqueçam que os negros também não são “brasileiros”. Foram imigrantes da África.
    Por que não se incluem índios nessas questões também?
    Aonde estão os índios nos programas de televisão?
    Ou apenas viraram algo folclórico, como menciona esse texto?

    • Com todo respeito, meu xará, suas questões são inúteis, até porque sempre friso que o negro E o índio são excluídos. Apenas falo mais da situação da negritude por motivos óbvios de ser um assunto que eu domino bem mais. Outra, se fosse uma loira de olhos azuis, não seria comparada a um homem e no papel de vilão. Brancos não se parecem todos como negros. Ninguém fala do corpo de rã da Fernanda Lima e nem do rosto xhupado pra dentro de Adriane Galisteu, por exemplo. Pare você com esses achaques de “o negro é que é racista”, pois, uma olhada pelo Google já te tira essa visão besta e alienada. Basta acessar.

      • Gabriel disse:

        Cara, a comparação foi feita como piada apenas porque são duas pessoas parecidas. Só isso. Em momento nenhum foi falado sobre falta de beleza, não tem relação nenhuma com ser vilão ou homem. É simplesmente porque são parecidos. Esta é uma piada que é muito comum na internet por sinal e com todo tipo de pessoa. Pare de ver problema onde não tem.

      • Caro Gabriel, a Globeleza 2014 é tão parecida com Leandro da Hora quanto eu. Essa “só uma piada” é a desculpa perfeita pra se discriminar, e outra, ainda que fossem parecidos – comparação que não existiu até hoje com Xuxa, Hebe ou Mara Maravilha – as criticas a ela foram tão somente estéticas, por um gosto construído a partir do racismo, de que uma negra se não for Taís Araújo ou Camila Pitanga – ou as próprias globelezas anteriores, com seus traços finos e cabelos “comportados”, não pode ser negra e a “piada” inocente é associá-la a um vilão do cinema baseado num bandido da vida real. Hoje é a globeleza, amanhã pode ser sua mãe, irmã, amiga, esposa… E aí, quero ver você achar uma piada.

  4. Cesar lemes disse:

    Eu não vi racismo nesta piada, tanto que nunca teve uma piada assim com as outras globelezas, eles apenas fizeram uma comparação porque realmente se parecem!

    • Claro, negros todos se parecem, né? Pele escura, cabelo afro, pronto! Queria ver se fosse uma foto de algum parente seu e você olhando as pessoas apontando e esculachando pra se sentirem um pouco superiores e engraçadas.

      • seb disse:

        em outras fotos, e até em entrevistas, eu acho a globeleza linda. No entento, na primeira vez que vi o video da globeleza, foi essa reação que tive, na hora: é o ze pequeno!
        Nada racista. apenas obviedade. mas repito, ela é bonita sim, mas o video esta ruim.

      • Suellen, compararam alguma mulher branca com a Dercy? Se seu pai fosse mulher, você teria duas mães. Frases como a sua são típicas dos preconceituosos, transferem – ou tentam – a culpa para o lado oprimido, porque se retorcem de desgosto não podendo falar qualquer besteira sem ter seu preconceito apontado. Eu também ficaria bolado em ter esse desvio de caráter. Negros e gays não são intocáveis, só exigem respeito como o branco tem sem esforço. Você compara Eliana com Xuxa, com Adriane Galisteu por que todas são loiras, logo, seriam parecidas? Então, vamos trabalhar aqui com o que há de fato, não com desvios de tema, ok? Brincadeira como qualquer outra, mas nunca é para cima do lado verdadeiramente intocável, reparou? Nunca se zoa o ateu, nunca se zoa o comediante politicamente incorreto, mas quando se zoa, ele grita e esperneia como o grande perseguido. “Só porque é negra”, exatamente, Suellem, como eu disse, não fizeram comparações grotescas com meninas fantásticas ou musas do brasileirão. Pra você é coincidência, mas tenho quase certeza de que você não é negra, ou não se vê como tal, mas acha que entende de racismo apenas porque tem um achômetro irriquieto. Gostos são construções sociais, não nasceu com o planeta Terra, existe todo um sistema de esteriótipos e preconceitos que levam a bizarrices como essa ‘piada’, não é só uma piada, pois, como toda peça de comunicação, ela carrega a ideologia entranhada de quem a bolou.

  5. Maila Fazioni disse:

    Adorei Fernando Sagatiba… minha filha e meu marido são negros e eu vivo com o preconceito de muitos que nos rodeiam, e até mesmo de familiares! Acho divino encontrar pessoas assim como você inteligentes e que tem atitude! Parabéns!! Abraço.

    • Valeu, Maila, o que muita gente não entendeu foi que a minha crítica é sobre gostos construídos pela sociedade e não por essa independência de opiniões que muitos acham ter. Samba no pé que é bom, ninguém falou na hora de criticar. Te juro que eu aceitaria numa boa se falassem que outras sambaram muito melhor, mas comparar a Zé Pequeno e querer mandar umas de que foi só uma piada por serem parecidos? Aí, não, não fizeram isso com mais ninguém, a feia é justo a única globeleza até hoje com traços tipicamente negros e cabelos crespos, ao invés de tratados. Obrigado, mais uma vez pelo apoio. abçs

    • Cara tu tirou as palavras que eu sempre quis dizer sobre o fato de sempre dizerem, não é racismo não, agora são intocáveis?: Mas não tinha a sua inteligência, MUITO BOM P A R A B É N S

  6. Suelen disse:

    Racismo, opressão ?? o tempo passa e os próprios negros se tornam mais racismo com si próprio!! Ninguém disse sobre a cor da pele e sim sobre a beleza que não está a altura de Globelezas passadas… Ou será que negro não pode ser feio?? e outra piadas são feitas com todos os tipos de pessoas, gorda, magra, gay e feios, a questão é que os Negros precisam para de achar que são coitadinhos, que tudo é dificio que pq é negro não pode isso, que não tem oportunidade que isso e aquilo, quando começar a fazer mais e fala menos e quando for fala expor suas qualidades ao invés da dificuldade que tem por ser negro talvez as coisas melhorem, cansa vê negros sendo atingido por inúmeros fatores e usando a questão racial pra se defender!!

    • Cara Suelen, negro não pode ser racista pelo mesmo motivo que não se pode voltar no tempo e fazer com que o branco tenha sido o escravizado. Se você não viu o racismo e enxerga racismo na denúncia deste, então, tenho péssimas notícias, você é uma integrante das mais comuns do conservadorismo. Leia mais, eu apoio. Mas ler de verdade, não o que a Globo ou a Veja repassam, porque esses são tão maus piadistas quanto Danilo Gentili ou Leandro Narloch. Axé!

      • Raquel Salles disse:

        Olá, Fernando! Respeito muito tudo o que disse, mas terei que discordar em uma coisa: há negros racistas sim! Sou de uma família miscigenada, meu irmão nasceu com a pele clara (embora também seja negro) e foi ovacionado pela família inteira quando nasceu (era realmente uma criança linda), eu nasci com a pele escura e houve comentários do tipo: “é até bonitinha, mas parece uma macaquinha”. Sim, o comentário foi exatamente esse e veio sabe de quem? De uma tia próxima que, pasme, é também negra. Alguns negros se envergonham de suas condições e discriminam a si mesmos, minha família é assim até hoje, infelizmente. Parabéns por seu posicionamento e pelo belo texto reflexivo. Axé!

      • É, Raquel, eu não discordo nem te desminto, eu só nomeio a situação de outro jeito. Claro que muitos negros não se aceitam e nem se reconhecem, eu convivo com alguns e é ridículo o modo como se sentem uma casta superior desqualificando nossas características étnicas. Eu só não costumo usar a palavra racismo, por que já li que o racismo só pode ser exercido de uma “raça” para outra, logo, o que o negro tem é uma espécie de internalização dos preconceitos. Ele acaba aceitando no subconsciente que não pode frequentar todos os lugares, que se olharem esquisito e se agarrarem nas bolsas ao vê-lo, então é normal, é assim mesmo e essas coisas. Mas eu não sou ingênuo em achar que todo negro nasce consciente da sociedade em que vivemos, no mais é isso. Obrigado! Grande abraço.

    • susana oliveira disse:

      Compartilho da sua linha de raciocínio, Suelen. Achei essa opinião do Sr, Fernando meio sem propósito. Não vejo motivo para enfatizar a atual globeleza como a coitadinha da vez. Ela é bonita, mas sem graça em relação as anteriores (essa é minha opinião, mesmo que desagrade a terceiros). Gostando ou não, precisamos opinar e externar se não nos agradou determinada escolha (mesmo que tenha ganho por maioria de votos, não quer dizer que represente a opinião de todos; então a minoria vai sim, se assim quiser, expor seu descontentamento com a eleita. Isso vale para qualquer categoria.
      Eu assisti sua entrevista, dia desses no programa Altas Horas, achei-a simpática mas sem cacife para ser a globeleza.

      • Susana, sem propósito é ler um texto desse tamanho e ficar apenas com a parte da beleza dela em relação às outras, a questão toda é a comparação bizarra entre Nayara e Zé Pequeno e toda a construção social que isso traz e implica. Não é questão dela merecer ou não o ‘cargo’, eu nem gosto desse tipo de associação carnavalesca, a questão, bem frisada pela montagem de repúdio à “piada” é a má comparação debochada e, de fato, sem propósito.

    • safyha disse:

      Ok..Suelen, então vista a minha pele!

  7. Quanta besteira, então esse site tem milhares e milhares e MILHARES de links preconceituosos de comparação.
    Aceita logo cara, se parecem e pronto, principalmente os olhos.

    http://memebase.cheezburger.com/totallylookslike

    • Caro, Jonatas Caldas, aceitar que Nayara e Leandro Firmino se parecem seria aceitar que você se parece com a Xuxa. A primeira mentira que nós, pesquisadores de causas sociais, aprendemos a rebater é essa besteirada de ‘preconceito invertido’. E, mesmo que se parecessem, a jovem foi escolhida PELO PÚBLICO para ser uma dançarina negra nas vinhetas de carnaval da Globo. Daí, não vi críticas ao bailado dela, que é o que deveria importar. O racismo está tão naturalizado em ti que você acha normal que qualquer negro se pareça, e olha que foquei mais meu texto na construção de gostos através da midia, pegando o racismo na rebarba. Se eu falasse que os metidos a engraçados são racistas inconscientes (será?), aí é que iam vir com os clichês de racismo ao contrário, paranoicos, vemos racismo em tudo… Não vemos, está. Mas quando não se é negro, fica difícil perceber, já que no dos outros é refresco.

      • Enxergar racismo nisso chega a ser uma psicose.
        Não é crítica.
        Não é racismo.
        Não é generalização.
        Não é questão de beleza.
        Nem estereótipo (não no caso da “piada”, mas da programação global sim)
        Muito menos dele ser vilão ou algo parecido,
        Só se parecem. Simples assim.
        Quer um contexto legal ? Existem bilhões de negros no mundo, eu mesmo acompanhei essa copa na África do Sul mais recente, e dentre os torcedores, jogadores, organizadores e o próprio povo entrevistado mostrados nas matérias, não me lembro de nenhum ali que sequer me lembrasse ela. Portanto é melhor deixar essa cisma de lado achando que “todo mundo” pensa que todo “negro” é igual…

        Quando tiver um tempo, veja o link que postei anteriormente, existem muitos genótipos manifestados ali que realmente fazem com que uma pessoa mesmo sem nenhum grau de parentesco lembre outra pessoa. Vejo isso direto em filmes e documentários, e quando vou pesquisar, logo percebo que várias pessoas perceberam a mesma coisa. No caso da “globeleza”, ela só lembra, é claro que não chega a ser um “sósia” – apesar da piada incitar isso, mas que os olhos e o sorriso lembram, ah sim.

      • E é você que vai ignorar tudo que eu já vivi, vivo e presencio pra me ensinar que não era racismo, era uma cisma aí, qualquer, né? Claro, porque não! Quem entende melhor sobre racismo do que aquele que o ignora e terá o luxo de não ser agredido por ele. É diss oque se trata não é? Assim que o negro parar de reagir, o racista pode voltar ao normal de fazer piada racista sem ser contestado. Que bom seria pro conservador, mas não é bem assim. Seu comentário inteiro é uma generalização, Jonatas, você acha mesmo que é o primeiro a querer dar aula sobre racismo pra um negro? Ah, vá, né…

      • Nesse caso quem generaliza é vc. Cada um pode ter tido uma interpretação da montagem, e a minha com toda sinceridade foi aquela.
        Cada comentário nas redes sociais vem de uma cabeça diferente. Se quiser ir no cerne da questão, corre atrás do “criador” da piada e tente perguntar diretamente. Caso contrário, seu post é todo baseado em suposições + opiniões próprias + achismos.

        Outra coisa: cuidado para não generalizar também ao usar cor da pele quando for tentar “catalogar” um negro, moro na Bahia e 99% das pessoas que vejo são pardos (caboclos) ou cafusos, raramente vejo um negro que não sofreu miscigenação. Raça vai muito mais longe do que os olhos veem, catalogar uma pessoa no “olhômetro” é besteira, pois no final, é a genética (genótipo) que pesa, manifestado como fenótipo ou não (lembre-se que muitos “famosos” considerados negros tem uma genética europeia maior do que africana como Daiane dos Santos e Neguinho da Beija Flor), portanto tem uma chance maior de transmitir esses genes para seus filhos/netos, e dentre esses milhares de genes, poucos podem influenciar mais na manifestação de certas doenças do que uma maior produção de melanina…

        Cuidado também para não misturar pardo com negro usando o censo do IBGE como base, além erros grosseiros cometidos por esse órgão (como aquele em que algumas cidades do nordeste tinham ~30% de amarelos e quando foram descobrir o povo não conhecia o conceito de asiático/amarelo e se auto definiram como amarelos/”desbotados”), lembre-se que nego é negro, pardo é pardo. Negro não é e nunca vai ser maioria no Brasil. Reveja seus conceitos, manipulação de números e conceitos errôneos são usados na maioria das vezes por pessoas egoístas por puro interesse próprio em detrimento de um todo.

      • Não vi você dizer que sua opinião concordava com a montagem de mau gosto, então você já usou o primeiro clichê do preconceito, que é afirmar como verdade algo que nem te diz respeito, mas tem que se afirmar sobre os outros, logo, uma questão sua. Outro clichê é esse de acusar de racismo quem o denuncia, como quem culpa o assaltado por andar com dinheiro, dando motivos para o assaltante. Outro clichê, querer se passar por inocente culpando o outro, quem tem convicção não precisa ficar jogando culpa, não fica se defendendo. O que acontece é essa mania de querer ser da sexta série eternamente, apontar o outro e ficar rindo, aliviado que não é você ali. Isso me dá muito sonozzzZZZZZZZZ.

  8. Falou Tudo Mesmo Fernando ♥

    • Obrigado, Rafaela! Estamos nessa contra preconceitos. Essa gente maldosa não pode ficar apontando, ridicularizando e achando normal. 🙂

      • Eliana Rodrigues disse:

        Caro Fernando ,se existisse entremeio a populaçao 30% de homens e mulheres de opinioes formadas e com disposiçoes para encarar o real e o verdadeiro assim como voce,com certeza os hipocritas da sociedade ,ja teriam encontrado as portas de saida….eu moro na Italia num estado onde quando cheguei falaram para mim tanto dos preconceituosos e racistas ,que pensei em me mudar, mas depois pensei !! sou assim e nunca mudarei…onde estou conquistei o respeito e nao abro mao disso, 8 anos em uma selva onde eu enfrentei uma mistureba de povinho de pele clara ,mas sem conteudo espiritual ,eu me fiz aqui ,eles estao por ai e eu aqui.
        Nayara ,nossa nova Globeleza ,para quem torci desde os primeiros programas,tiro meu chapeu , e vou com ela até o fim…..e oque ela tem que pensar que a sociedade hipocrita terao que engoli.la ,ahhh se fosse eu !!! o dia que todos enxergarem que os olhos negros ,ou pretos como quiserem ,ve a beleza das cores como o verde e o azul . ai entenderam que o preconceito e o racismo, é uma doença mental…..eu gostaria de desafia.los ….dou tudo oque tenho para oque me provar e mostrar que se enterramos ,um branco e um negro no mesmo dia e hora, e depois de 3 dias existe diferença no odor de um e de outro .

      • Eliana, obrigado pelas palavras de apoio e… que show, hein! Depois que os julgamentos começaram, ficou raro ver algum torcedor de Nayara, a própria anda bem recolhida e investindo em ser atriz e modelo, ao que parece, ela já não espera muito do carnaval globeleza para ano que vem. Mas é isso aí, estamos na luta eterna pelo respeito aos diferentes de forma igual. Grande abraço.

  9. Giancarlo disse:

    Não ví nada demais, só blá blá blá, realmente eles se parecem, se fosse o pelé por exemplo não daria certo, não houve questão racista,

    • Curioso que a moça só parece com o Zé Pequeno, né? Todo mundo reproduz pra se sentir engraçado, mas aposto que se o criador dessa baboseira tivesse usado a sua foto, Giancarlo, todos também concordariam. Ninguém teve essa “sacada” antes, apenas repetiram como uma onda. Ninguém pensou pela própria cabeça, apenas repassa, como todo senso comum, como todo preconceito.

  10. Amanda Cbm disse:

    Muito interessante, continuo acompanhando. Bjins

  11. carlos Dutra disse:

    Acho que existe sim preconceito no país, seja por cor, condiçao social ou outras mais.
    Só acho que nao podemos ficar julgando tudo por esse lado. Esa menina decidiu se expor a mídia e num concurso q exige samba, simpatia e beleza sim. Outras mulheres foram globelezas e nao foram tao julgadas. As pessoas tem suas opinióes e eu tenho as minhas. Acho ela bonita e simpática, mas acho que as outras anteriores foram bem mais do que essa. Existem preconceito, mas nesse caso não. Zé Pequeno é um ator de talento e no caso a semelhança foi fisica e nao por ser negra ou bandida!!

    • Carlos, já parou pra pensar que apenas um usou essa comparação bizarra e todo o resto apenas reproduziu? Todo mundo sofre preconceito, mas o negro é que foi o escravo, que é comparado a um animal que é engraçado, mas obviamente, não é gente de verdade e a questão de qualquer opinião passa pela construção social do meio. Agora, ninguém falou que ela não samba ou explicou o que há de feio nela. Dizer que é questão de gosto, traria, no mínimo, uma argumentação mais elaborada que “ela é feia sim”, até porque, como você disse, se é questão de gosto, ela se expôs e a maior parte do público que votou decidiu por ela. E Zé Pequeno não é ator, é um personagem, um bandido. Leandro Firmino nem se parece com ela, olha o formato dos olhos, o nariz… O preconceito está aí, em olhar a pele negra, nariz não grego e cabelo crespo e -ZAZ – todo negro se parece. Eu mesmo já fui comparado a tanta gente que nem se parece entre sim, mas porque tem cabelo black, virou sósia na hora.

  12. carlos Dutra disse:

    Todos ja sofreram qualquer tipo de preconceito, isso independe de raça. O pobre que mora na favela, o chinês q eh chamado de amarelo, o branquelo azedo, a gorda que é “bunitinha” o magricelo, o advogado que é ladrão, o político corrupto, o baixinho pintor de rodapé, o japonês de pinto pequeno, o negão varão, branca nao sabe sambar, carioca so vive de praia, baiano é preguiçoso, nordestino é miserável, gaúcho é gay e varias outras piadinhas preconceituosas. Vivemos com isso e isso nao vai mudar. O exagero merece ” briga” na justiça de resto, vamos viver nossas vidas e trabalhar, pois a resposta e os bons exemplos de pessoas bem sucedidas sao os maiores exemplos e o tapa q damos a todo tipo de preconceito. Pelé, thais Araujo, osama, Neguinho da Beija Flor, jo Soares, David Brazil… estao aii pra provar isso

    • carlos Dutra disse:

      Fernando, sinceramente quando vi a foto em hipotese alguma veio a questao racial na minha cabeça, sei q pra quem ja sofreu tantos preconceitos, qualquer brincadeira atinge e deve doer mais, mas como eu disse, o povo brinca com tudo. Seja branco amarelo, pardo… basta se expor ou ate mesmo ter algo q as pessoas ve como motivos pra isso. Eu particulamente evito brincadeiras do tipo racial ou fisico( perneta, baleia, narigudo… ) como vc ve brincadeiras de mau gosto tem varias… nem tudo é racial e nesse caso, sendo reproduçao ou nao. Tudo q se brinca, foi pq alguem começou. Fizeram o desenho e varias pessoas resolveram postar, uns com maldade racial e outros pq acharam parecidos e outros pq simplesmente acharam engraçado. A “semelhança nao é com o personagem, pois o personagem eh o interior q o ator interpreta eh com tipo fisico no caso o ator. Em momento algum fizeram montagem com arma e alusivo a bandido. Continue a sua luta contra o racismo, mas nem tudo eh so por preconceito quando se brinca com o negro.

  13. Sabe a diferença entre o racista norte americano e o brasileiro? O primeiro sabe que é racista e muitas vezes assume esta condição( hoje bem menos, afinal o politicamente correto nasceu lá). Eu moro em uma cidade de imigração européia, convivo com uma sociedade racista que não se enxerga como tal, vislumbrei acima vários argumentos que escuto diariamente (sou professor). Infelizmente ainda vai demorar décadas até a sociedade se reconhecer como racista. Quando eu trabalho o Nazismo, sempre digo a mesma coisa: O racismo começa em uma piada.

    • Carlão, você está de deboche, como eu já disse, não vejo mais esse tipo de questionamento como inguenuidade nem opinião, pois tem tantos textos pela internet que explicam o racismo que me recuso a aceitar argumentações assim. Mas, vamos lá, o racismo é um sistema de empoderamento do branco e diminuição da humanidade do negro desde que o Brasil é colônia, ainda em mil quinhentos e tralalá. Achar que o branco sofre racismo ‘invertido’ é como achar que o deficiente vai discriminar o não deficiente ou que o gay vai discriminar o hétero, não vai. Nunca vai estar equiparado a um sistema social que transforma o branco, hétero e não deficiente no ‘normal’ enquanto o deficiente, o negro e o gay são os exóticos, os tipos que as pessoas fingem respeitar, mas quando se vira as costas, vem um ‘aleijado’, ‘preto é foda’ ou ‘viado escroto’. Esse é o sistema do preconceito social, só voltando no tempo e fazendo o negro dominar o branco por mais de meio mundo é que você saberia como seria o racismo do negro contra o branco, afora isso, seu mundinho tenebroso de preconceito invertido ainda é dominado pelo branco na política, na mídia e nos ambientes de melhor poder aquisitivo, enquanto o negro é maioria da população, mas é também a parte pobre em maioria. Vamos argumentar, mas depois de ler a respeito, ok?

  14. Cláudia disse:

    Não é racismo. É que ela é horrorosa mesmo. Tinha tanta candidata linda e eram negras. Ela só ganhou porque é do Rio. Além de ser feia não sabe sambar e não tem carisma, qualidades que toda globeleza tem que ter.

    • Claudia, horroroso é você achar que sua opinião vale mais que a votação de mais de 50% do público. E além de racismo ainda é infantilidade, vingancinha porque não ganhou a preferida do matuto que criou essa montagem horrorosa. É só ver como apenas essa piada surgiu, ninguém mais conseguiu pensar em nada, ou seja, qualquer um na foto se pareceria com qualquer outro negro. Não sou o único a achar Nayara bonita, vira e mexe, alguém vem até mim dizer que também acha.

    • Alessandra disse:

      Valéria é negra e toda mulher branca ou negra queria ter o samba no pé e a feminilidade da Valéria, portanto, dizer que a rejeição à essa menina se dá pelo racismo é patético. Se o pessoal que a está rejeitando é ligado às outras candidatas que não venceram, por outro lado, imagino que o pessoal que está apoiando essa menina deve ser da família dela. A Globeleza é a personificação da beleza, carisma, samba no pé e delicadeza, e essa menina passa longe de tudo isso. Se aos negros só resta sonhar em ter evidência como Globeleza ou no programa da Regina Casé é porque eles mesmos não se valorizam, se permitem à isso, se submetem à isso, ninguém obriga… porque o negro que se valoriza (que sabe o valor que tem e não se submete a ser ridicularizado) é Presidente do STF, é ator em hollywood ganhando milhões de dólares, trabalha na petrobrás e anda com um ótimo carro (como um amigo meu de infância), etc. O racismo existe mas não é o caso da Globeleza, e se ela só achou que podia sonhar com isso é porque ela não se valoriza, se acomoda pensando… “o mundo é racista e não tem nada que eu possa fazer, só me resta sonhar com pouco”…. é uma ótima desculpa. Vai à luta e não se subestime, rala, estuda, faça as oportunidades acontecerem, e será mais um negro em evidência no mundo. Colocar a culpa de tudo que acontece no racismo é assinar o atestado de inferioridade. Ah, só pra finalizar, meu irmão é negro e acha essa menina muito feia. Gosto é algo bem pessoal, mas quando a imagem é exposta publicamente, e essa é a ideia da figura da Globeleza, quem se dispõe a ser Globeleza está sujeita não só à elogios, mas também à críticas, é um risco, vc pode obter muitos lucros ou prejuízos, a Valéria obteve lucros e essa menina pelo jeito vai obter prejuízos, mas ela decidiu arriscar. Bom, certamente não vou mais entrar aqui, mas seria legal que as pessoas tivessem a plena consciência do racismo, porque só assim é possível exterminá-lo.

  15. Andeia disse:

    Genteeee…. me envergonha ler um texto deste, nossa, nada haver. Sou negra, e foi uma comparação pois ela é mesmo parecida. E eu sou preta, negrissima. Ah nem..por isso é que a gente fica queimado, tudooooo é racismo. E realmente, Nayara não é bonita para os padrões brasileiros mesmo não, vamos colocar na nossa cabeça, que no Brasil, traços finos , cabelos compridos e pele clara são padrão de beleza aqui. A beleza dela pode até ser exótica, mas em outro local do mundo. E se ela nasceu aqui, e a maioria acha ela feia por não se enquadrar nesses padrões, fazer o que ?????!!!!!!!!! Chamar todo mundo de racista não é o caminho, mas mesmo eu sendo preta, na minha opinião, Nayara era a mais feia, e tinham outras mais bonitas, mas ela teve sorte, e fazer oquê né!

    • Andeia, se você é negra, não faz diferença, isso não é credencial pra tornar o preconceito um ato legítimo. Vergonha eu tenho é de ler um argumento fraco desses. Você é só mais uma a concordar que Nayara parece Zé Pequeno, o estranho é que ninguém mais sugeriu nada, né? Se colocassem um abacaxi no lugar do personagem, todos vocês concordariam. Porque é assim que vocês agem, obedecem a um só comando e vão repassando na forma de opinião.

    • Diego disse:

      O que me envergonha é ler um comentario como este seu. Me diga de onde vc tirou esse tal padrão brasileiro? Se vc no auge da ignorancia acha que deve se curvar aos ditos PADRÕES de beleza faça isso sozinha. Não precisa ser um genio pra perceber que sua mente nada mais tem de original,se limita a reproduzir o que foi produzido mesmo sendo mais uma vitima desta produção. Vc deveria agradecer ao que Fernando esta fazendo,se não fosse pessoas como ele vc com toda certeza não teria a oportunidade de escrever suas imaturas palavras neste site.

  16. genaldo disse:

    SE EXISTE PRECONCEITO, NÃO É POR ELA SER NEGRA E SIM POR SER FEIA

  17. genaldo disse:

    É A FAMOSA LIBERDADE DE EXPRESSÃO, SE NÃO GOSTOU, PACIENCIA !!!!! ESSAS PESSOAS POLITICAMENTE CORRETAS, SÃO UM SACO ! SE NAYARA SE EXPÔS, TEM QUE AGUENTAR O TRANCO. ELA PODE SER UMA PESSOA BONITA MAS COMO GLOBELEZA FALTA BELEZA VISUAL

    • Genaldo, liberdade de expressão não é falar merdx e não ser confrontado, é dar o direito de outros também emitirem sua opinião. Se você acha que o padrão estético político e ideológico atual dominante o correto, VOCÊ é que é o politicamente correto, eu tô mais pra um “rebelde” que contesta o que tentam me impor como certo e errado quanto conceitos subjetivos. Não, não gostei, paciência e site meus, uso minha liberdade de expressão aqui, morou? Saco é gente que reproduz discurso decorado achando o dono da razão. bjs.

    • FALOU TUDO…CONCORDO PLENAMENTE…PARA GLOBELEZA FOI UM TIRO NO PÉ.

  18. adriana santos disse:

    chega cansada em pleno 2014 esse tipo de comparações infelizes. chega desse preconceito é racismo sim ! DEIXEM A MOÇA BRILHAR SEM OFENDER OU COMPARAR COM AS PESSOAS. cansada de ouvir todo negro se parece por que ? isso é pura ignorância belezas diferentes traçados o que são semelhantes só a cor de pele e o que tem de engraçado nisso ??? sou negra e não admito esse tipo de racismo chega de blá blá blá dizendo: não sou preconceituoso , não vi nada demais, por que não é nenhum de vocês NEM PARENTES. Fernando sabias palavras estou contigo beijos 🙂

    • Falou tudo, Adriana! Essa comparação bizarra, que as pessoas insistem em dizer que é natural, não passa de racismo velado e teleguiado, porque ninguém mais bolou nada, ou seja, daí seria pra pior essa “piada”. Ninguém fez comparação com mais ninguém, sequer questionaram o samba no pé, por exemplo.

  19. Carla disse:

    Nossa que texto nada a ver! Procurando chifre em cabeça de cavalo! Mania de achar que tudo é racismo, é preconceito. Chatice! Preguiça de gente assim.

    • Carla, o racismo não é como uma fada, que só existe pra quem acredita. Quem sente na pele, sabe. Não é só uma piada, não é só questão de opinião e não é paranoia. Não é estranho que sempre haja campanha contra a homofobia, gordofobia, machismo, mas na hora de falar em racismo “ah, vocês veem racismo em tudo”? Pois é, tem gente que se atreve a falar isso, porque não é pra todos que é só uma lenda urbana isolada ai.

  20. Inacio disse:

    Fernando, parabéns pelo belo texto. Pelo que já vivenciei e vivencio, penso da mesma maneira que você. Aproveitando, eu “me pareço” com pelo menos uns 20 negros diferentes que estão na mídia e a verdade é que não me pareço com nenhum dos que mencionam, mas enfim…
    Já entrei em infinitas discussões e debates sobre esse tema e descobri que as pessoas têm alguns conceitos tão enraizados que é impossível fazer com que as mesmas ao menos reflitam sobre meus argumentos. É estranho escrever isto, mas pelo menos temporariamente, eu desisti de conversar sobre racismo com as pessoas com as quais convivo costumeiramente nos ambientes profissional e acadêmico. Eu acabo me estressando e a discussão sempre se mostra infrutífera. Também, é impossível manter a calma quando vêm uns e dizem que o racismo nem existe mais.

    Saudações!

    • Rapaz, primeiramente, obrigado pela leitura e comentário! Agora, preciso dizer que parecia até eu mesmo comentando, haha, porque também pareço com um monte de negros esportistas, artistas e nenhum deles se parece entre si também. Já me decepcionei com o racismo naturalizado de um monte de gente do meu círculo social – e excluí alguns mais radicais também – então, sei exatamente o que é essa frustração em não ser compreendido por pessoas próximas. Também estou em recesso, reunindo energias para próximas oportunidades. Mas estamos na luta, mesmo que pegando fôlego. Abraços!

  21. nalva Tavares disse:

    Infelizmente a piada retrata a realidade,a nova globeleza é horrível mesmooooooo!!!

    • Nalva, não é piada, é o preconceito que todo negro sofre de “se parecer com todo mundo”. E dizer que alguém é feio ou bonito é extremamente relativo, construção social, hábito do que se ahbitua como natural e o que soa diferente de sua rotina, mas vá lá, tem gente que cresce num determinado meio e ainda consegue abrir a mente, então a questão é “quantos brancos você compara com bandidos famosos do cinema pop recente do Brasil?”. É essa a questão, ela é horrível? Não discuto opinião, mas discordo dessa, mas comparar a Zé Pequeno? Quem compara negros a primatas também acha que não tem nada de mais. Não sofrem na pele.

    • Diego disse:

      Então diga vc o que é bonito? afinal de contas vc deve ter sido eleita padronizadora da beleza mundial.

  22. Eu, eu mesma disse:

    Olha, nada a ver com a cor da pele dela. O fato é que ela é feia sim. Se ela fosse branca de olhos azuis mas com as mesmas proporçoes do rosto, seria feia do mesmo jeito… Veja os filhos de Angelica e Luciano Hulk, são muito feios!!! Na boa, eu não tenho preconceito com cor de pele, meu pai era pardo, minha mae é morena, graças aos dois eu tenho uma beleza diferente, peculiar . Mas uma coisa é verdade, a moça é feia de rosto, olhos muito afastados, e não tem uma certa simpatia . Trabalho com uma mulher ate mais escura que a Nayara , e essa mulher é linda!!!

    • Belo argumento, “Eu”, mas dizer que ela é feia e que não é por causa da pele não chega perto do que eu falei. Eu falei sobre a construção social que permite a um monte de gente branca ser “normal”, enquanto uma negra é tida como feia. Só no meu convívio social, inclusive eu, conheço várias pessoas que, em seus convívios classe média, sendo minoria negra, nunca somos escolhidos como ‘os belos’, sempre os exóticos. Agora, quando entendi que muito mais que classe média, eu sou um negro e adoro a cultura de meus ancestrais, passei a frequentar lugares onde eu era/sou “só mais um”. ZAZ! Deixei de ser mais um, o legal, o engraçado, o inteligente e descobri um carisma que sempre passou batido, porque eu era como o alívio cômico daqueles filmes adolescentes (só porque nunca tive talento pra ser o valentão barra pesada). Não foi coincidência, muita gente tem relatos pra fazer sobre o racismo velado no Brasil e eu já ouvi isso de um parente que nem 10 anos de idade tem. Ou seja, vamos continuar com o círculo vicioso “não é porque você é negro, é só uma opinião, é só uma piada, é só um mal entendido e blá, blá, blá…”. Quem vive na pele, sabe, quem se blinda pelo convívio só imagina, mas obviamente não se coloca no lugar do coleguinha.

    • Carlos Eduardo Paiva disse:

      Eu não tinha visto a sua opinão, mais vc esta coberta de razão, no meu comentario eu fui mais comedido, mais quis dizer a mesma coisa, eu sou negro, sei de todos os preconceitos que a minha raça passa, mais eu não escondo os fatos.

      • Um rapaz, funcionário de uma loja de roupas famosa de um shopping aqui perto, subúrbio carioca, foi abordado e preso sem provas, nem nada, apenas porque a vítima descrevera seu agressor e assaltante como um negro de black, bermuda e camiseta. Então, o trabalhador Vinícius foi levado para um presídio, sem direito a visita ou defesa, mesmo sendo filho de um militar reformado. Diz aí, somos todos parecidos e todos parecemos bandidos? Eu mesmo já fui abordado várias vezes no passado, demorei pra desconfiar porque eu era o único não atraente para o sexo oposto no grupo social que frequentava, eu era um dos raros negros lá, e sempre me comparam a algum negro que nem se parece comigo. Racismo não vem apenas na base de xingamentos ou agressões, vem também como piadinhas e apelidinhos que demonstram o quão o racismo é naturalizado. Não escode os fatos? Você nem enxergou além da superfície.

  23. Fernando , na moral velho , não existe preconceito nenhum achar alguém parecido com outra pessoa e achar que os dois não são bonitos , tenho irmão negro e eu acho ele muito bonito , essa foto está comparando a falta de beleza e não se é preto ou se é branco , essa matéria está totalmente errada no que se diz a respeito da da foto comparativa , e tenho certeza que muita gente está contra sua matéria.

    • Jefferson, a questão não é achar ou não parecido, a questão é que esse tipo de comparação é nitidamente uma tentativa de ridicularizar. E o preconceito se disfarça no Brasil exatamente nesse tipo de distorção. Poucos são bobos de expor o preconceito usando diretamente palavras desse contexto. Sempre é puxando pra bandido, feio, cracudo, mendigo, sujo. Eu mesmo já fui comparado a tanta gente que nem se parece entre si, muito menos comigo, mas é “tudo preto, tudo igual”. Como no caso recente do apresentador que confundiu Samuel L. Jackson com Lawrence Fishburne, o próprio ator falou ‘não somos todos parecidos porque somos negros’. Parece piada, mas é a naturalização de um estereótipo que desumaniza o negro e o torna um personagem, uma caricatura. Quem sente isso na pele não acha metade da graça que muitos acham ter. Um colega meu, que não se parece comigo, também já foi comparado a pessoas e personagens que eu já fui… Pode até não ter tido ódio – o que muitos acham que caracteriza o racismo – mas teve um descaso, um pouco cuidado em sair comparando pessoas porque têm a similaridade da cor da pele e textura de cabelo.

  24. Carlos Eduardo Paiva disse:

    Bom, diante de tantos depoimentos, opniões e bla..bla..blas, a verdade é uma só, não se trata de racismo pelo simples fato que o referencial de GLOBELEZA, refere-se a beleza da mulher que representa verdadeiramente e sem ipocresia o samba e as raizes negras. E considerando a 1 (primeira) globeleza Valéria Valenssa que era e é uma linda representante da mulher negra as comparações não podem deixar de ser comentadas, ninguem e cego ou e tão burro para acreditar que não houve nenhum tipo de maracutaia, para que essa jovem atual globeleza fosse escolhida dentre as outras meninas que reuniam totais atributos pertinentes a uma escolha justa. Então não se trata de racismo ou outro argumento que os tais letrados estão dizendo. Do assunto em questão a verdade e essa, a Nayara não tem requisitos necessarios para ser Globeleza. Dai as brincadeiras e as tirações de sarro.

    • Carlos, não sei se você está sendo ingênuo ou irônico, confesso, mas dizer que a globeleza é referencial de beleza e raízes negras, em se tratando de Globo (que usa o termo mulata de forma tendenciosa e óbvia), é, no mínimo, questionável. Outra, Valéria Valensa é linda e Nayara também, são pessoas completamente diferentes. Outra mais, não houve brincaderirinhas e tirações de sarro, houve apenas uma piada, pra comprovar a falta de argumento de quem exerceu esse preconceito besta de não achar nada mais pra criticar. Ninguém compara pessoas brancas de cabelos lisos e compridos, por exemplo, com qualquer pessoa pra dizer “olha, são brancos com cabelos parecidos, são iguaizinhos”.

  25. Carlos Eduardo Paiva disse:

    Olha Fernando, não é só a Globo que usa o termo mulata de forma tendenciosa, as outras emissoras tbm usam, é claro, e todos sabem que a Globo e uma empresa que sabe muito bem manipular os acontecimentos da forma que ela quer, mas o principal objetivo do nome Globeleza é sim escolher uma bela representante para o que programa se destina, no caso, uma bela negra ou mulata agora vc dizer que a Nayara e linda, acho que é vc quem esta sendo irônico, apesar que gosto não se discute, e quase unanime a rejeição dela para a condição de Globeleza. E que fique bem claro, que não esta em pauta seus atributos intelectuais. Vc tbm. diz que ninguem compara pessoas brancas, acontece que os negros ainda não tem condições de igualdade, talvez por culpa dos próprios negros que não se ajudam, não se respeitam entre si, como diz o ditadado, o mal do negro é, próprio negro, o negro de classe media, não e bem visto pelos negros menos favorecidos, se os negros fossem como os asiáticos os judeus a coisa seria bem diferente, quem sabe daqui mais uns 100 anos.

  26. Totys disse:

    O que deixou o povo decepcionado e que que não votou é que essa mulata era a mais feia de todas… sem atributos pertinentes ao carnaval…corpo bonito, seios fartos e bumbum bem feito…já que era concurso que fosse a mais bonita… tanto é que a vinheta sumiu das chamadas do carnaval…ela não sabe nem sambar… não era o fato de ser negra… é que a moça é realmente muito feia na TV, pessoalmente pode ser bonita, mas no video ficou pavorosa…tudo ficou feio a pintura,..a maquiagem…o samba…o cabelo o sorriso… o conjunto ficou medonho…sumiu da TV.

    • Achei diversas belezas diferentes e ganhou UMA delas. Eu nem acompanho porque acho essa coisa de só ter representatividade para a mulher negra no carnaval, e mesmo assim sendo objeto exótico e sexual. O grande lance é que tanta gente no mundo não pode ficar restrita a um ou dois padrões estéticos, já que ninguém nasce sabendo o que é bonito, apenas aprende com o que a sociedade empurra. Enfim, foi o público que elegeu, eu não votei, mas acho a moça bonita, mas prefiro não dar ibope, só o dia em que a mulher negra estiver bem retratada na grande mídia.

  27. shyeer disse:

    Fernando, concordo literalmente com você, quero parabenizá-lo pelo sua excelênte eloquência.

  28. Fernanda Galt disse:

    Fernando, eu concordo plenamente contigo, sou negra e cresci sendo chamada de globeleza ou Xica da Silva, isso soh acontece no Brasil. Moro nos EUA ha 10 anos e aqui sou bem mais respeitada que no Brasil. Mesmo as pessoas que sao preconceituosas tratam os negros com respeito e ninguem compara negro com macaco ou fazendo piadinhas absurdas ridicularizando-nos. Aqui as mulheres negras nao aparecem somente nuas no carnaval, nao se usa esse termo mulato, que eh um termo extremamente racista (Mula+ lata), que antigamente os portugueses usavam as mulas para se satisfazerem sexualmente e depois passaram a estuprar a escrava. Mas enfim, aqui nao se faz isso porque se alguem tem uma atitude preconceituosa, a populacao protesta e vira ateh filme.. (como o filme Fruitvale Station), enquanto no Brasil a populacao apoia e ainda faz piada, como o caso da Nayara … Mal sabendo eles, que no Brasil, mesmo os branquinhos tem um pezinho lah na senzala…

  29. Maira disse:

    bem concordo com toda a parte sociológica do texto, mas acho ela feia sim, ha negras no carnaval infinitamente mais bonitas que ela, Os olhos são muito grandes, o rosto muito anguloso, os seios muito pequenos e ela tem feições brutas,quase masculinizadas, claro que nada disso diminui o talento dela como passista, porém o talento dela como passista não a faz mais bonita, e neste caso estou a comparando com outras negras não “esbraquecidas” que trabalham no samba

    • Maíra, você foi a única até agora que soube explicar o que acha feio em Nayara, já por isso, parabéns, cansei do grane argumento embasado ‘é feia sim e pronto’, e por isso eu respeito sua opinião, mas o propósito do texto não foi exatamente discutir a beleza, eu particularmente acho ela bonita, mas o bizarro disso tudo foi essa ‘piada’ com Zé Pequeno. Escrevi até um texto em que eu detalho mais essa questão de comparações levianas no http://www.garciarama.blogspot.com, recentemente.

  30. Kátia Serafina Lages Viana disse:

    Não vi racismo, vi uma disputa política de estados. “Café com leite”, quem sabe história, sabe o que estou falando. Minas está ganhando títulos demais! No futebol principalmente. E a Globo com seu achismo manipulador e “presunçoso controle” Absurdo da inteligencia mediana do publico, não abriu mão do titulo que até então era do Rio…
    Nossa candidata, Camila Caroline, era sem duvida, a melhor! Foi UNÂNIME até o ultimo momento.
    Revejam a cena e veja a cara da apresentadora e da própria Nayara.

  31. Adriana Rocha disse:

    Fernando, concordo com você que não foi de bom gosto as piadas no que se referem a beleza dela, mas não é só com mulheres negras que isso acontece.. basta ver os concursos de beleza em todos os canais de comunicação. Há mulheres brancas que também passam por isso. Mas elas só passam por isso porque se sujeitam a participar destes concursos. Ela concordou em participar de um concurso cujos padrões eram diferentes do dela. Você disse que ela foi eleita com 50% de votos. Ora, que ingenuidade sua acreditar que isso reflete que ela era a melhor ou a mais bonita. Você viu a votação? As outras também eram negras e algumas delas muuuuuito mais bonita que ela, como por exemplo a que ficou em segundo lugar.
    Apesar de não concordar com você que ela é bonita e sabe sambar, eu não gostei do que fizeram com ela. Infelizmente Fernando, enquanto a mulher (seja ela branca, negra ou asiática) se sujeitar a participar destes concursos, isso irá acontecer.

  32. Pollyanna disse:

    Saga, gostaria que esse mundo fosse visto como minha filha Anna Luiza de 4 anos vê. Filha de Pai Filósofo e mãe pedagoga e professora de Educação física, tentamos educar nossos filhos em busca da investigação, reflexão, conclusão a que eles chegaram e quais os argumentos pra isso, e só depois de sabermos o porque daquela resposta, seja em brigas entre eles, ou em qualquer outra situação é que começamos a interferência (se for necessária).
    E certa feita uma “infeliz” de uma professora quando ela usava um lápis de cor preto falou a seguinte frase: – Anninha esse não preto é feio! Como entendemos o processo de reflexão e argumentação como essencial para leitura de mundo e quebra de paradigmas e dogmas, esteriótipos e tantos outros “conflitos” ideários. Nossos filhos só conversão um assunto conosco após um processo que aqui chamamos de ” Detetive” (não por imposição, mas já acostumaram a refletir, para argumentar com o pai. rs).
    Então, minha filha passou alguns dias me perguntando coisas do tipo: -Mãe você acha minha vó de Brasília feia?, – Meu tio Frank, eu acho ele bonito. Ele é né? – Mãe porque esse seu vestido é tão bonito se ele é preto? Logo deduzi, ela está levantando as “provas” para construir sua argumentação para algum conceito. Não, interferi na investigação dela. Imaginei que fosse algum tipo de comentário preconceituoso que ela tinha escutado, mas jamais achei que fosse na escola. Resumindo. A Anna no esplendor e beleza de seus 4 anos vira pra mim e diz: – Sabe mãe, eu achava que as professoras estavam sempre certas, mas descobri que minha Tia R… não. Ela errou, e agora como eu vou dizer pra ela, ela vai brigar comigo. (pensei é agora que eu descubro o que aconteceu). Perguntei: – E o que sua tia meu amor? – Eu estava desenhando minha família, e ela brigou comigo. Eu: – Brigou? Mas, como você desenhou? Ela: – Ah pintei você de marrom, o papai de rosa, o luizinho (irmão) pintei de amarelo clarinho porque o branco não aparece e ele fica um pouco amarelo as vezes, e quando eu fui pintar a vovó ela tomou meu lápis e não deixou eu pintar e disse que preto era feio. Preto não é feio né mãe? Eu: (sem saber se chorava ou ia arrumar barraco na escola) – Antes da mamãe falar, o que você acha do preto? Ela: -Bonito, as pessoas, o seu vestido, o carro do tio Marcelo, ahhhh mãe gosto de um monte de cores, a minha preferida é rosa e lilás porque eu sou princesa né? Falei: Princesa, linda e inteligente. – Mas mãe e agora? – Agora o que Anna? – Me muda de escola, minha Tia ensina errado.
    Quem dera que as pessoas vissem a beleza das cores em tudo, da alma das pessoas, e principalmente, que ninguém nasce preconceituoso, aprende-se.
    Força. A beleza está nos olhos de quem a vê. Então quem não consegue enxergar beleza em qualquer coisa, ou pessoa, está cega. Presa nos grilhões da ignorância e sendo chicoteado a cada dia com o chicote demência.
    Axé!

    • Pollyana, essa é uma das histórias mais surpreendentes que eu já vi. Sério mesmo, fiquei emocionado com sua filha agora e o modo como você a ensinou a contestar o que despejam pra ela como verdade absoluta do universo. Parabéns, de coração! Não falo nem mais nada, você disse tudo, a beleza está lá, é só enxergar, do contrário, as pessoas ficam apenas esperando o mundo inteiro coincidir com a meia dúzia de tipos que a grande mídia determina como se fosse dona do mundo. Grande abraço!

  33. Guilherme, besteira é você dizer verdades vazias como essas de que isso acontece o tempo todo, mas não ter argumento pra sustentar. Não vi ninguém comparar a Nina a algum ator em papel de bandido apenas por ter a mesma textura de cabelo ou cor de pele. A questão aqui não é superficial como beleza pré-determinada ou cor de pele, é a construção social que leva a isso. É um passo antes, coisa que as pessoas não pensam, apenas aceitam o que já foi imposto em suas mentes desde a infância, desde que o mundo é mundo. Fato isolado é o que você parou pra ver, e viu mal. Você repetiu mais um monte de besteiras racistas de querer culpar o negro pelo racismo. A maior besteira é achar que o racismo é igual fada, que se você deixar de acreditar ele acaba e ainda achar que é só discriminar cor de pele. Cara, vá ler um pouco sobre o assunto, é um sistema de desqualificação do negro para empoderamento do branco, coisa que se faz desde que o Brasil era colônia e não sumiu só porque você é um remediado criado como se o mundo fosse igualitário. Você não vê racismo, mas aposto que profere frases racistas com a desculpa de opinião, piada e essas baboseiras que só escondem seu preconceito. Eu também não iria admitir se tivesse uma opinião tão vazia e decorada, coisa que sempre nos é repetida, mas ninguém explica, por motivos óbvios. Quer ler mais besteiras? Vai ler sua certidão de nascimento.

  34. Alvaro disse:

    Foi o Brasil que à elegeu e por causa de poucos fazendo piadas sem graça, e alguns até sem noção, compartilhando pq achou engraçado. mas sim com um propósito racista que não tem fundamento nenhum, pois ela é uma bela mulher; a globo só esta queimando seu fllme. e dando motivos para ser julgada assim como a menina esta sendo comparada e prejudicada com essa conduta. A globo tem medo de quê? Deixe a menina mostrar o trabalho, isso com certeza é coisa de mulher!!!!

  35. Eis as palavras de quem se diz “filósofo”

    “ESSE MULHER É FEIA. Pode ser que não seja para quem não compara com a anterior. Mas, no caso, todo mundo compara. Não há nenhum racismo nisso. Racismo muitas vezes é alguma coisa da burrice do ressentido ou do oportunismo do apontador. Cuidado.”

    • Esse texto apenas reforça a ideia de atribuir a culpa do crime à vítima, que se expôs, como quem culpa o assaltado por andar com dinheiro e essas coisas. E enquanto desqualifica uma denúncia de racismo, vem e defende o senso comum de que todo mundo compara com a anterior, como se o costume fizesse a lei do universo. Já o texto da foto, me pareceu mais direcionado à defesa dela e não ao discurso – talvez irônico – de ataque, por culpa da própria dançarina.

  36. Jamille Messias disse:

    Eu moro na Bahia, em específico em Salvador onde muito mais da metade da população é formado de negros. Eu me considero uma pessoa “parda” como dizem, pois o que acredito que vale em termos de cor é o que visivelmente é percebível. Poxa, eu já brinquei com um amigo certa voz o chamando de “meu neguinho” e fui praticamente rebaixada ao pó. Escutei um monte de coisas, inclusive ele veio a chorar. Após o ocorrido eu o pedi desculpas e ele, ainda sensibilizado me disse: “Sofremos no passado e temos que continuar sofrendo no presente”. Não estou aqui para julgar ninguém, muito menos me passar por preconceituosa, mas por favor, pela lógica, preconceitos sempre existirão gente, infelizmente isso não será abolido NUNCA. Não é por uma crítica de uma pessoa, ou mesmo de várias que teremos resultado. Hoje se tem algo chamado “Consciência Negra” e? Já resultou em que mesmo? Quem é a favor do preconceito, continuará sendo, quem é hipócrita, também continuará sendo. A valorização deve partir de nós mesmos, pois se esperar isso de outros, vamos literalmente “morrer na praia”. Eu sou pequena e gorda, não tenho um padrão de beleza exigido, jamais poderia ser “paquita”, muito menos globeleza. Mas isso é algo que eu sei, convivo com isso e não deve ser opiniões maldosas de terceiros que deve prevalecer em minha vida.E outro detalhe, se a Nayara (globeleza) caiu na mídia, já era… as críticas sempre existirão, assim como os elogios e até mesmo defesas(como a sua,por exemplo). Bem, creio que tudo realmente não passa de opiniões diversas que não leva a lugar algum, mas é legal expressar-se né mesmo? Abraços Sagatiba!

    • Pô, Jamille, e fazer o quê? Sentar conformado e seguir com a vidinha mais ou menos aturando piadas que ofendem? Sempre vai haver ignorância, então é preciso que sempre haja pessoas conscientizadas por perto pra falar ‘ei, isso não foi legal’. É claro que nenhuma sociedade muda à perfeição, mas se o ser humano não fosse capaz de mudar, ainda estaríamos nas cavernas, não é verdade? Outro dia eu ensinei duas ou três coisas a um primo de 10 anos, sobre como ele poderia reagir ao racismo de uma colega na escola – sem violência e sem ofensa trocada – e ele olhou pra mim e falou ‘sabe, eu não tinha pensado nisso’. Olha que maravilha. A gente chega sim, só precisamos conscientizar as pessoas, tanto brancas quanto negras, por exemplo.

      • Jamille Messias disse:

        Admiro sua luta meu caro! Realmente estaríamos nas cavernas ainda se não desejássemos mudar para melhor. Espero que sua perspectiva quanto preconceito racial realmente “evolua”. Infelizmente o que muito se tem é muita “conscientização” e “hipocrisia” para a real melhoria. Numa boa… Odeio de coração preconceito por qualquer coisa. Já fui evangélica e me dou bem com qualquer tipo de gente. Eu acredito no”querer” mudar de verdade… Na sinceridade das atitudes sem muito lero lero. Eu ando atolada com isso de tudo ser levado para preconceito, racismo… Puxa! Somos pessoas e devemos nos respeitar! Hj em dia temos superiores negros, recentemente fui avaliada em um processo seletivo para emprego por uma mulher negra. E daí??? A capacidade humana é independente da cor… Eu sei que você bem sabe disso… Mas aff, desabafei rs Abraços amigo.

      • Taí, Jamille você defende uma ideia muito próxima da minha, só que minha realidade, mesmo sendo um negro de classe média, que estudou em escolas e faculdades particulares e teve toda a chance de fazer cursos e arrumar empregos pra sustentar meu trabalho ‘de coração’ (do qual você acaba de participar, hehe), é diferente, ou melhor, eu vejo de outro ponto de vista. Você foi avaliada por uima mulher negra, e quantas mais estão nessa posição ‘não-subalterna’ enquanto negras? A realidade é que ainda há uma maioria da população que não tem necessidades básicas supridas, e a maioria da população é negra/parda (pouco mais de 50%, pelo IBGE), ou seja, não é que vejamos racismo em tudo, mas muito se disfarça essa atitude. É como você reprimir um gay por ser gay e dizer que só está defendendo os valores da sociedade, entende? É nesse nível. Dê uma olhada nos meus textos no http://www.garciarama.blogspot.com, lá eu acompanho o caso de Vinícius Romão, sabe, o ator ‘confundido’ com um assaltante por ter cabelo black e ser negro? A sociedade também já me enganou, Jamille, eu tinha um convívio com 90% de pessos brancas no meu contexto social e nunca fui desrespeitado, mas também percebi que eu não falava no assunto, eu achava natural ser o ‘exótico’. É complicado porque a sociedade foi estruturada nisso, então os valores vão passando sem contestação, e quem os questiona é taxado de rebelde, racista ao contrário (esse é o pior) ou paranóico. Enfim, estamos aí, obrigado pela leitura e pelo debate pacífico (é mais raro do que parece quando pessoas possuem pontos de vista diferentes). A capacidade humana é independente da cor sim, só precisamos evoluir um pouco mais pra que muitos mais da ‘cor preta’ tenham a chance de mostrar isso sem que se preocupem com a próxima operação policial no bairro pobre ou na comunidade carente. Abçs

  37. Delsucjr disse:

    Parece que a maioria não entendeu o Ponto!
    A comparação foi ilógica, desprezível e principalmente de mau gosto
    Fernando parece que pelo menos algumas almas mentalmente flexíveis e humanizadas perceberam a irrelevância do “cara crachá”.

  38. Toda piada, ou comparação infeliz perde a força se for desconsiderada, e não é o que está acontecendo pelo visto. Achei a nova globeleza sem graça e no momento do meu julgamento não coloquei em primeiro plano a sua cor, mesmo porque a globeleza desde sempre foi negra, mas isso não vem ao caso. Procurei me informar um pouco mais sobre a polêmica (que sinceramente desconhecia que existia) depois de um comentário no facebook. Acho louvável a sua luta Fernando, mas acredito que esteja gastando energia desnecessária, a moça optou por concorrer a uma vaga onde teria a sua imagem exposta nacionalmente, e é lógico que a partir daí estaria exposta a todos os tipos de comentários, brincadeiras, piadinhas e coisas do tipo….antes de ser negra ela é mulher, e o que é analisado pelos espectadores a cada aparição na tv não é apenas se o tom negro de sua pele é mais escuro ou mais claro do que das anteriores. Em um comentário seu li que o próprio público escolheu a nova globeleza. Não acompanhei essa votação, mas acredito que essa maioria participante não pode ser comparada a maioria real dos brasileiros que assistem a Globo diariamente, pois é visível que a nova globeleza não teve aceitação nacional como as anteriores. Não quero causar nenhuma discussão sobre racismo, mas acho que em alguns casos é possível tocar pra frente sabe? Acredito que a comparação física que foi feita poderia ter sido com qualquer pessoa, branca, negra ou gorda, e no meu ponto de vista a discussão está tomando direção equivocada. A Globo está interessada em audiência, pura e simplesmente, e quanto mais polêmica desnecessária sobre a garota, menos ela irá aparecer na mídia para mostrar seu trabalho!

    • Verdade, Ana, até que vi muita coisa aqui interessante e, mesmo que eu não concorde, achei válido entrar no debate, mas você está certa, muitos se tornaram tão reativos quanto ao assunto racismo (um derivativo, pois o foco foi a piada de mau gosto) que, sinceramente, já cheguei a respirar fundo antes de ler a seção de comentários por receio de não resistir e acabar me estressando com um monte de baboseiras e até agressões que eu vi aqui. Só fiquei curioso com uma coisa, se ela foi eleita pela maioria dos votos, é estranho que ninguém tenha saído em sua defesa. Este texto já teve mais de 11.000 visualizações e eu mesmo nem acompanho Globo nem nada disso. De novo, entrei nessa por causa da piada, quando pintou no meu Facebook. Abçs
      Ps: Já aconteceu o que você previu, uma nota do R7 diz que ela está reclusa e deprimida com a pouca repercussão/rejeição.

  39. Maria da Graça disse:

    Olhos as duas fotos e não vejo um bigode no rosto desta moça/Globeleza. Tampouco vejo brincos na foto do ator…Ela é do sexo feminino e ele, masculino…Ela usa batom e maquiagem nos olhos e ele, não. Qual a semelhança então? Alguém já confundiu a Xuxa com o Miguel Falabella? É prezado Fernando, há tantas coisas nos subterrâneos visíveis da alma(???) humana, coisas tão doentias que os acometidos negam-se e até temem reconhecer. Parabéns pelo excelente texto.

    • Obrigado, Maria da Graça. É que muitos só querem ver a superfície, falar da superfície e acabam sendo superficiais em tudo. Torna-se um hábito que as pessoas vão repassando, e todo mundo que pensa igual vai defender como apenas uma atitude inocente até que estão todos pensando que isso é alguma lei da natureza. Aí, ninguém mais vê racismo, ninguém para pra pensar em porque só no carnaval a mulher negra é protagonista – mesmo assim por causa do corpo – e pronto, está tudo bagunçado. Abçs

  40. Lorena disse:

    Na minha humildade de pessoa pouco entendida sobre o assunto (a não ser por vivencia) digo que o racismo nesse fato mostra sua face atual: a estética.

  41. Mauro disse:

    Cara, eu entendo seus argumentos, embora considere alguns fracos. Você relativiza tanto a beleza, mas esquece que algumas pessoas (de qualquer etnia) são mais bonitas para a maioria das pessoas do que outras. Exatamente por isso que nem todos podem ser modelos ou trabalhar em papeis que exija beleza física.

    E ela não está nessa minoria, me desculpe. Uma atriz negra linda (com traços negros) está concorrendo ao oscar agora (foto http://www.geledes.org.br/images/stories/2013/dezembro/lupita1.jpg ), para mim dá de 10×0 nessa Globeleza…Mesmo entre as concorrentes, havia melhores. Críticas a pessoas de outras “raças” são comuns também. Eu acho as irmãs Olsen, loiras, brancas, gringas feias pra caramba, parecem dois saguizinhos.

    • Mauro, a questão não é defender que todo negro é bonito só pra que não se acuse ninguém de racismo. É a bizarra comparação e – o que me incomoda muito – a besta ‘brincadeirinha’ de “todo preto é igual”. Samuel L. Jackson passou por isso. Não vi ninguém dizer que ele exagerou em passar um belo dum sabão no entrevistador, mas ele ergueu a voz, expôs a questão. É nesse tom que eu falo aqui, não quero taxar ninguém de bonito ou feio, muito menos querer manobrar a opinião alheia. Mas essa montagem foi de muito mau gosto. Já vi piadas semelhantes com pessoas conhecidas minhas e a intenção passou longe de apenas divertir.

  42. Rachel Cristiane disse:

    Sim, eu acho a moça em questão feia.
    Sim, seus traços se assemelham com a do outro rapaz em questão.
    Minhas opiniões e nenhuma delas tem haver com o fato dela ser negra (eu tbm sou negra, meus irmãos, meu pai e toda minha família paterna).
    Todos os dias eu me deparo com pessoas que eu acho feias no meu dia a dia, na rua, no trabalho, pessoas brancas, pardas, asiáticas, negras, azuis, verdes… Não tendo relação com a etnia e racismo. Não acho certo a hostilidade por motivo algum (assédio moral), mas as pessoas são cruéis e quando optamos em nos expor na mídia devemos ter consciência de que seremos julgados e apontados, impossível agradar a todos. Obrigada, achei muito válida a discussão. Att.

  43. sou negrão, beiçudo, nariz chato e pele escura como a noite e acho ela feia e pronto

    • Cleber, primeiro, ser negro ou não não te daria credenciais VIP pra achá-la feia ou não, eu não tô nem aí se chamam ela de feia. Eu não acho, mas sei que traços estéticos não são unanimidade – friso isso insistentemente no texto e em meus comentários. Bizarra é essa ‘piada’. Fico com a sensação de que a qualquer momento pode ser algum de nós. Vinícius Romão foi confundido com um bandido… é disso que eu falo. Não em beleza, mas a comparação irresponsável entre negros por que temos traços específico que são vistos como exóticos. Justo no país que mais traficou gente preta da África pra cá.

    • não se trata de racismo se é negro ou não… para o caso em questão MULATA GLOBELEZA ela foi a mais feia de todas as edições…eu e a torcida do flamengo achamos…tinha outras candidatas negras mais bonitas, com mais atributos…

      • Haha, se você e a torcida do Flamengo acharam, como que foi justo ela que ganhou, huh? Falando sério, Antonieta, a questão é a piada de mau gosto, não a preferência quanto aos padrões estéticos do que se espera de uma moça naquele tipo de contexto. Não é porque eu não a conheço e ela não me deve nada que eu vou achar legal essa coisa adolescente de apontar, ridicularizar e se sentir menos entediado com a vida, né?

      • totys disse:

        parentesco…cartucho…costas quentes…O Arlindo Cruz deve saber porquê…

  44. Crisaide disse:

    Olá Fernando, estava gostando muito do seu texto até você cometer o mesmo erro do qual aqui critica. Você rotulou a menina loirinha que dizendo que pagaria mico no carnaval e resumiu o carnaval aos negros. E depois o texto foi pelo mesmo caminho de sempre…Uma pena…

    • Crisaide, eu não rotulei ninguém, usei de ironia, pois ninguém chora pela ausência de negros num elenco de novela com quase 100 pessoas (geralmente, de 6 a 8 negros por obra), mas no carnaval todo mundo enaltece a beleza negra… folclorização é pouco, e isso é mais divertido perceber sem explicar, apenas na sutileza da interpretação. Abraços!

  45. É feia, nao tem carisma, e muito flacida. Mesmo antes do final do concurso, ja sabiamos q ela seria vencedora. Pq sera?

    • Hanna, como eu friso sempre, a questão não é definir se ela é feia ou bonita, repare no texto – e imagem faz parte da peça de comunicação como um todo – a coisa começa como uma crítica primordial à piadinha bizarra e inconsequente, não uma resposta a críticas em geral. Eu mesmo nem acompanhei o tal concurso, fui ler depois que vi a montagem rolando pelo Facebook.

  46. Ricardo Pereira disse:

    Como outros falaram aqui, algumas pessoas de pele negra estão criando racismo de onde não tem. Assim como a Dilma parece com aquele ursinho de Star Wars, a Globeleza parece com o Zé Pequeno. Simples! Agora se o problema é a Globo fazer folclorização do corpo negro, deveria criar outro post meu amigo.

    • Ricardo Pereira disse:

      Esqueci de mencionar… Mesmo achando parecida com o Zé Pequeno, é uma bela mulher. Assim como outras que participaram do concurso.

    • Ricardo, esse post que você fala pra detalhar mais a folclorização do corpo negro já foi feito. Dá uma olhada nos posts anteriores a esse, eu já tinha falado sobre o próprio concurso da Globeleza. Esse aqui veio na intenção do repúdio à ‘piada’, mas o outro fala mais sobre a objetificação do negro e, sobretudo, da negra.

  47. fabiana disse:

    O “problema” é que não terá outra Valéria Valença: carismática, mignon, traços simétricos, enfim, linda!!!!. Hars Donner acertou em cheio tanto que ela ficou anos – até gravida- no posto. A antiga e esta não conseguem desempenhar o papel com maestria da primogênita.
    Acho a Nayara normalzinha, assim como eu e minhas amigas kkkkk Acho que nos falta simetria nos traços- dizem que é isto que faz “o bonito ser bonito”………

    • Você abordou um ponto interessante, Fabiana. Realmente eu também já me perguntei se isso também não era uma certa saudade da Valéria. As duas que vieram depois não repetiram o sucesso e o carisma dela e Nayara, li no R7, está reclusa. A Globo não a divulgou bem, dizem, eu não acompanho, mas o que pegou pra mim foi a piada cruel. Se fosse com minha filha, esposa ou alguma outra pessoa querida eu ficaria furioso. Mas concordo, Valéria Valensa se aposentou do carnaval e não deveria ser substituída. Seria como aqueles times de futebol que aposentaram as camisas de seus ídolos, porque não acham que haverá outro à altura, não que não haja outras pessoas capacitadas, mas a original se torna hors concours.

  48. Concordo plenamente com você Fernando Sagatiba e parabéns pelo texto, vejo que instigou muita gente. E ao observar os comentários fico entristecida mais ainda com aqueles que dizem: “é uma simples brincadeira!” Na infância fui muito discriminada e sofri vários tipos de “brincadeiras” como essa e confesso que foi muito sofrível. Tenho dois filhos e tento protegê-los ao máximo para que os mesmo não venham a sofrer algum tipo de discriminação. Porém sei que os mesmo irão se deparar com algumas situações discriminatórias, pois o preconceito é algo enraizado, principalmente com relação a nossa RAÇA. Muito pertinente o comentário da colega Pollyanna quando diz que: “A beleza está nos olhos de quem a vê. Então quem não consegue enxergar beleza em qualquer coisa, ou pessoa, está cega. Presa nos grilhões da ignorância e sendo chicoteado a cada dia com o chicote demência.”

    • Obrigado pelas palavras, Luciana, é bem por aí. É tão naturalizado em nossa sociedade essas maldades que a gente se levanta e contesta e vem os outros reclamarem que a gente não apanha quieto. Eu também já sofri com muita piada. Hoje é diferente, tenho quase 2m de altura e um semblante que faz trovejar só no olhar, então as pessoas pensam duas vezes, se eu abro a boca entao, é um fato que a maioria só sabe repetir o que aprende com a sociedade ‘normal’, elitista, classe média, desapegada da realidade. Aí, eu deito e rolo. haha. Estamos aê! Abçs

  49. Matheus Gomes disse:

    “Primeiro, acho Nayara uma bela mulher.”
    Partindo de que referencial?

    • Aí é que tá. Não tenho referencial. Não programo meus gostos. Olho, penso em que clima aquela pessoa me passa e vou pensando em possibilidades. Olhei pra ela e não comparei com ninguém, olhei duas, três vezes e continuei achando-a uma pessoa única, com uma possível personalidade única, um sorriso enigmático, imaginei sua voz (porque nunca acompanhei concurso ou essas coisas, nem a Globo em geral), enfim… Na possível troca de energia que uma pessoa tem comigo, eu imagino e só. Não julgo. Assim como achei outras participantes lindas, pelas fotos que vi na minha pesquisa. Também pensei coisas assim das outras, não é algo que eu espere um resultado de acordo com algo decorado.

  50. Iolanda Lima Jordao disse:

    A Nayara é feia,não tem carisma…eu questiono essa votação..como questiono a votação do BBB…não era a mais bonita mesmo…tanto é q a Globo deve ter percebido a !Cagada”…essa Globeleza é a q teve menos Aparições…não se trata de racismo não..eu sou Negra e achei ela a mais feia e não votaria nela..pare de polemizar…Valeria Valenssa …só tem uma..é a eterna Globeleza ..Ah a Nayara parece sim com o Ze Pequeno…no tipo fisico..cabelo..olho…bjus !!!
    .

    • Iolanda, a questão é de racismo sim, mas não contra Nayara. O racismo está nos padrões estéticos e sociais que levaram à humanidade a definir o que é bonito e o que é feio. O fato de você ser negra não te faz autoridade nisso, você sabe, né? Não vamos entrar nessa de ‘eu sou negro, posso falar mal de negros’, eu mesmo já andei com uma galera cuca fresca branca e nunca fui desrespeitado, mas também fiquei blindado e míope acerca do racismo de outras pessoas em volta. Mas a questão não é essa, é a péssima piada, que se fosse feita com você, não importa quantas pessoas jurassem que acharam muito pertinente, duvido que você veria com os olhos da indiferença. O racismo foi derivativo no texto, eu combati foi a piada ofensiva.

  51. Alex Sandro disse:

    Eu sou de uma época em que no Brasil tínhamos grandes humoristas negros como Mussum, Helio de la Pena, Jorge Lafond e Grand Otelo, que brincavam com o fato de serem negros. Nos Estados Unidos humoristas como Chris Rock, Marlon Wayans, Shawn Wayans, Terry Crews entre outros, brincam com o fato de serem negros. Existe uma coisa chamada piada e comedia. Isso ai é uma piada, uma brincadeira, algo para fazer as pessoas rirem. Eu gosto de computadores e sou gordinho, as pessoas acabam fazendo piada comigo com o fato de ser “nerd”, gordinho, alemãozinho, entre outros. Mas eu não ligo, levo isso na brincadeira e na zoeira. Isso é uma brincadeira, uma piada, não levo isso a serio. Pois eu seu quem eu sou, e tenho orgulho do que sou e faço piada comigo mesmo sem nenhum problema. Ela é uma linda negra, assim como a Bruna Marquezine é uma linda morena e a Danielle Winits uma linda loura. As pessoas tendem a ver o preconceito e o racismo onde não existem. Como na propaganda do Conar http://bit.ly/1fCtWwf. Se fosse uma gordinha as pessoas iriam fazer piada com ela, se fosse um gay iriam fazer piada, se fosse uma branquela as pessoas iriam fazer piada e iriam dizer que isso é racismo, pois no carnaval tem que ser uma mulata ou uma negra. Eu brinco que, a qualquer hora quando tiver uma passeata de orgulho branco, heterossexual, que gosta de mulheres, choppinho e churrasco eu vou estar lá e vou brigar por uma cota também. Cada pessoa tem sua “particularidade”, as pessoas de verdade não são modelos de televisão, cada um tem seus problemas, seus dramas, suas virtudes, suas qualidades. Acho que isso é uma brincadeira, uma piada, não deve ser levado para o lado do antropologismo, ou algo que deveria ser feito todo esse estudo filosófico a respeito do assunto. É uma piada que para muitos não tem graça, assim como a piada do Rafinha Bastos com a Wanessa Camargo.

    • Sério, você acha que Chris Rock brinca com o fato de ser negro?! Cara, ele é um dos mais ácidos na crítica ao racismo. E outra, esse papo de ‘o problema é social’ e a venda nos olhos pra não enxergar as implicações políticas e sócio antropológicas da coisa só demonstram uma imensa vontade de continuar como na sexta série em que a gente repetia piadas como se fossem inocentes, mas carregadas de preconceitos e necessidade adolescente de auto-afirmação através do rebaixamento dos ‘esquisitos’. E quem disse que todos os negros pensam igual? Hélio de la Pena é um alienado que enquanto esteve tudo certo em sua vida global, fazia esse mesmo tipo de crítica que você fez, mas quando o filho dele foi o único parado numa blitz, com os amigos, aí ele se doeu. Muitos negros acham que estão sendo promotores de piadas, mas estão sendo o próprio alvo. Assista ao documentário O Riso dos Outros, está na íntegra no Youtube e fala muito sobre essa ideologia cínica de ‘é só uma piada’.

  52. Celene disse:

    Fernando, o racista , aqui, esta parecendo que é você. Pois Nayara

    continua na dela e trabalhando no carnaval, sem se preocupar com sua cor.

  53. nathália vendramin disse:

    Hoje no Brasil não se pode ter opinião. Essa globeleza é FEIA , FEISSIMA. agora isso nada tem haver com racismo.Apenas que essa moça para globeleza está muito fora.. Hj se for contra a qualquer coisa logo somos taxados de racista ou homofóbico. Repito a moça é feia demais..na vinheta em que ela aparece, nada tem de sexy ou sensual ou bonito que seja..pelo contrário , aparece uma moça feia com a boca aberta..causa espanto..essa moça é assustadora principalmente pir se tratar de um concurso de beleza!!!

    • Opinião é um direito de todos, Nat, mas desrespeito é falta de educação. Como eu ouvi recentemente ‘pode até falar besteira, só não pode falar merda’. O racismo não está na superficial e “inocente” ação de chamá-la de feia. E a questão do racismo foi um assunto derivativo que eu aproveitei o gancho porque, já disse, não vou ficar desenrolando esse assunto aqui. Embora a cultura e história negras estejam muitíssimo ligadas à condição de injustiça social e racial, o foco aqui é Samba. E não precisa se tornar tão reativa, eu não falei de você, falei da piadinha maldosa. Essa sim, repugnante. Nada contra sua opinião, sou contra fazer piada com o lado que já é oprimido pela sociedade ao longo da história. Aqui não se faz piada ridicularizando o racista ao invés do negro ou o rico ao invés do pobre. É normal? Liberdade de expressão existe sim, mas não está acima do bem e do mal. Se eu bater em alguém, respondo por agressão, se eu xingar ou ameaçar, também. Violência e injúria não são só físicas, a conversa vai longe, então, paro por aqui. Não questiono nem os motivos e padrões que te levaram a achar alguém feia ou bonita, só não precisa se agitar tanto quando se fala em racismo. Tanta defesa só demonstra que há muito mais vontade de que se mantenha a sociedade ‘boa e decente’ como está hoje do que uma mudança em que o respeito a todos seja de fato respeitado.

  54. dea disse:

    Por que os que são contra a sua opinião não mostra a cara, você esta certo brincadeira de mal gosto sendo que poder prejudicar a globeleza porque a opinião publicar conta muito no mundo da mídia .

  55. Lucia Ma\ria disse:

    Joaquim Nabuco, um grande abolicionista,na ocasião da abolição afirmou que as marcas da escravidão fariam parte por muito tempo da personalidade do brasileiro.Vemos essas marcas, nas relações sociais,familiares,economicas,profissionais,etc.Aparecem na forma de piadas,
    demonstrações dúbias de sentimentos, cinismo,tratamentos contraditórios( gosta de negros só em determinadas situações) nas comparações e nas dificuldades por parte dos negros e brancos em se entenderem .Vemos que nós brasileiros, somos racistas e atrasados.

  56. Teu disse:

    Após rolar toda esta página e ler toda a discussão acima, fico super orgulhosa em saber que, graças a Deus, não sou a única negra no Brasil que tenho consciência da maneira como o racismo ocorre em nosso país de forma velada. Fernando Sagatiba, como é bom ler comentários como o seu, cara! Quando vi a imagem absurda com a nova Globeleza sendo compartilhada no Face, não compartilhei, minha visão ética sobre isso não me deixou fazer esse compartilhamento. Realmente, aos meus olhos, não achei a nova Globeleza muito bonita, mas a beleza está nos olhos de quem vê e cada um tem sua maneira de ver tudo a sua volta. Também tenho os meus critérios para achar uma pessoa bonita ou feia. Por exemplo, eu acho meu marido lindo, mas meu pai o acha horroroso. Brincamos muito sobre isso. Mas nos respeitamos. Acho que tudo deve ser uma questão de RESPEITO, o que não há em nosso país quando o assunto é DIFERENÇAS quanto a características raciais. Não temos condições de discutir sobre o racismo no Brasil com a maioria da população brasileira, porque, no Brasil, as pessoas só acham que há racismo em uma determinada situação quando alguém chama outro de “neguinha”, ou, como ocorreu outro dia num salão de beleza de São Paulo, uma pessoa diz que não quer ser atendida por outra porque esta é “muito negra”. Tenho certeza que as mesmas pessoas que chamaram a polícia contra a mulher no salão de beleza alegando racismo, possivelmente podem ter compartilhado a imagem da Globeleza e do ator de Cidade de Deus (se não me engano) no Face. Enfim, Fernando, quero dizer que você é um homem negro consciente dessas questões profundas que permeiam nossa sociedade brasileira racista velada e orgulhosamente posso dizer que também sou, mas a maioria acha que você está falando grego, pois ainda não acordou para a profundidade e seriedade dessas discussões. É como diz uma banda de reggae baiana: “Apartheid disfarçado todo dia!”. Isso é o que temos em nosso país e enquanto não acordarmos, vai ser sempre muito difícil para o homem e a mulher negros quebrarem os grilhões mentais que os cerceiam ainda hoje quanto a galgarem condições melhores em nossa sociedade.

    • É isso aí, disse tudo! Não dá pra falar sobre o assunto com a maioria, pois tanto aqui quanto no Facebook, as pessoas não têm argumentos, sempre comparações com ‘e se’ quanto a pessoas brancas, feias, etc. Nunca um argumento sólido, inclusive, ocorreu isso que você falou no meu Facebook, pois uma pessoa que eu considerava amiga, havia me dito ter percebido pelos meus textos que realmente o racismo no Brasil é silencioso e cruel, que muitos negros viravam as costas para sua etnia predominante por receio do preconceito e essas coisas. Aí, ela compartilha a ridícula piada e ainda vai em uma postagem minha desse link dizer que estou de palhaçada, por exemplo. Vindo de uma morena que pinta os cabelos de loiro e se considera uma ‘não tão branca assim’. Classe média remediada, mas enfim, obrigado pelas palavras de apoio e uma confissão, eu não tinha olhado para Nayara uma única vez, pois não sou a favor dessa coisa de Globeleza, mulher negra seminua no carnaval e empregada o resto do ano e tals… mas quando reparei em toda a situação de “rejeição”, o texto saiu como um desabafo, mais do que como um artigo opinativo. Estamos juntos nessa!

  57. samuel de jesus borges disse:

    Poxa Fernando em primeiro lugar, parabéns!por que você pensa e aborda esse assunto da forma que eu gostaria.O pior tipo de racismo, se é que existem classificações, é esse que tentam disfarçar , como você cita sempre nas réplicas, o que está bastante naturalizado na cabeça das pessoas. Aquele insuportável “Que negra linda”, como se fosse pouco comum, raro, uma mulher negra ser linda.A globeleza em questão é linda sim!muito linda!As pessoas estão habituadas a acharem lindas mulheres negras com traços de brancos, cabelos alisados e não conseguem enxergar a beleza de Nayara!E ela não se parece nem um pouquinho com Zé pequeno.E fique tranquilo que, pelo conteúdo das respostas, a maioria dessas pessoas que comentaram ai, sequer entende as suas réplicas e a essência do seu texto!abraços!

    • Samuel, antes de mais nada, ‘ufa!’, alguém percebeu minhas réplicas e, sobretudo, o texto em si. A quantidade de gente que se apega apenas ao clichê decorado e sem sentido ‘vocês veem racismo em tudo’ e o ‘fundamentado’ argumento ‘é igualzim, kkk’ é pra dar desespero, mas eu sou teimoso. haha. Escrevi um texto no meu outro blog que fala mais sobre essas comparações entre negros por causa da cor e do cabelo, também está publicado no site Mundo Negro: http://garciarama.blogspot.com.br/2014/02/negro-com-quem-voce-se-parece.html
      Obrigado pela presença, grande abraço!

  58. Paulo Klein disse:

    Fernando Sagatiba, estou sem fôlego depois de ler aqui..Parabéns pelo manifesto!!, Muito bem pontuado em todos os sentidos. Virei seu fã. Faço minhas, TODAS suas palavras. Um grande abraço, Li e compartilhei pela comunidade do Fb “A Mulher Negra e o Feminismo”. Estamos juntos na luta por igualdade. Não sou negro, aliás nem sei minhas origens (sou brasileiro!!) pois sou adotado, e cara, não me importo com isso aliás. A beleza está em TUDO que a Mãe Natureza criou (já o que o humano ditou como bonito feio certo e errado não confio não). Sou homossexual, sofro muito preconceito, estamos na mesma luta. Somos Humanos em primeiro lugar. Todos somos Iguais, Obrigado. Boa Noite

    • Paulo, obrigado pelas palavras de apoio, primeiramente. Outra coisa, eu também sigo a página por entender que precisamos nos unir em nossas várias causas e não aderir ao “só uma piada/comentário” e essas acusações infundadas de que vemos preconceito em tudo – talvez porque ele esteja muito entranhado na sociedade e a maioria nem perceba. Concordo com você quando fala que por você ser homossexual e eu ser negro temos em comum a luta contra o preconceito, e como eu disse, estamos juntos nessa, aliás sempre é meu primeiro argumento quando noto olhares e deboches homofóbicos, por exemplo. Lembro logo que eu também não sou o mais bem aceito em qualquer lugar. Grande abraço!

  59. Gil disse:

    Acho que a galera não prestou atenção… O artigo trata de repúdio à piada preconceituosa sobre a beleza da nova Globeleza.
    Opiniões pessoais sobre se é bonita ou feia acho q são irrelevantes. Opinião Pessoal… Acho os traços masculinos, ponto.

    Piadas pejorativas… To fora. Paro por aqui.

    • Gil, é isso mesmo. Até que uns poucos vieram pra reforçar a “piada”, mas a maioria acha que eu quero impor a beleza de Nayara ao mundo e não é isso. Realmente, como dita a montagem que fiz sobre a original é exatamente o repúdio à comparação grotesca. E, note, na minha montagem eu tive peito de me identificar, porque defendo e assumo meu posicionamento.

  60. walter disse:

    foi o brasil que a escolheu agora a globo para de palhaçada e respeita o direito da moça

  61. larissa disse:

    Bom, por tudo que li nesses comentários, oq ficou óbvio é q o autor está indignado com a comparação, pois ele não concorda com a semelhança entre essas duas pessoas!! logo é uma pessoa totalmente inflexível a opiniões adversas.
    Sr autor, uma sociedade sem preconceitos requer pessoas de mente aberta, não sem opiniões, repito “mente aberta” , se acha que pode mudar alguma coisa em relação ao racismo com esse seu ativismo está enganado, acho impossível, pois você apenas é exemplo de uma pessoa totalmente inflexível.
    obs: escreve muito bem, poderia usar dessa capacidade para se promover ou dar exemplo a sua “raça” (já que é assim que gosta de ser tratado) não ao contrário.

    • Inflexível não, Larissa, como jornalista que sou, pesquisei bastante e tive muito tempo pra definir meu posicionamento sobre o assunto, como você bem percebeu, eu sou o autor do texto, ele não pulou no blog e eu apenas aprovei a publicação. Tanto defendo a ‘mente aberta’ que falo o tempo todo em contestar os hábitos sociais da mídia em estabelecer padrões que não existem sem a própria mídia. Eu não gosto de ser tratado como raça, existem termos afirmativos que você não vai entender apenas no seu achômetro superficial, agora, agradecendo o elogio, aproveito pra te dizer que seu conselho dá certo, no meu ‘ativismo’ eu já ouvi muitos ‘cara, eu penso a mesma coisa’ ou o mais importante, ouço muitos ‘cara, eu não tinha percebido’, já ouvi isso inclusive de parentes crianças e que já têm um histórico de ‘piadas’ tão ‘inocentes’ quanto essas citadas. Você nunca vai saber o que é essa satisfação.

  62. Victor disse:

    O rosto dela não tem harmonia, é tudo desproporcional ao rosto, boca. olhos, é meio esquisita de rosto, a verdade é essa, de corpo até que é bonita, não é racismo, simplesmente é a realidade.
    Ela não deveria ter sido a globeleza, a globeleza tem que fazer jus ao nome, ser bonita de rosto e de corpo existem mulatas muito mais bonitas que ela, dão 10 a zero nela 0, eu não sei que diabo teve na seleção desse ano, .

    • Victor, pelo texto e outros comentários meus, você já sabe que discordamos quanto à configuração de traços físicos de menina Nayara, mas achá-la feia é sim um direito de qualquer um, o que é bizarro é comparar a moça ao Zé Pequeno.Pegando o gancho desse assunto e essa comparação bizarra, o que me motivou a escrever esse texto, ainda veio, mais recentemente o ator Vinicius Romão, preso por ser negro e ter cabelo black, o que o tornou suspeito imediatamente, mesmo usando roupas diferentes do que foi relatado pela vítima. Assim, escrevi um texto que fala mais sobre essa coisa de comparação entre negros pela cor e textura de cabelo. Acho que ela explica um pouco mais o que eu trouxe aqui: http://garciarama.blogspot.com.br/2014/02/negro-com-quem-voce-se-parece.html

    • Victor eu respeito sua opinião e, como eu já disse aqui antes, quando a pessoa sabe explicar o argumento ao invés de cair no clichê “é isso e pronto” já dá um gosto ao debate. Confesso que só prestei atenção nela depois da tal ‘piada’ e realmente achei outras candidatas mais dentro dos traços que eu costumo achar belos sem resistir, sem questionar, sem ter que olhar duas vezes pra curtir o clima que aquela aparência tem. Gostei do que vi e entendo quem não ache isso. Agora, essa montagem é o que me incomodou…

    • parentesco….apadrinhamento….só isso explica colocar uma mulata que nem seios tinha pra pintar… ficou horrível…

  63. Jorge, primeiro, você não sabe se ela também chegaria em você, não estamos falando apenas de traços estéticos, mas da piada horrorosa que fizeram. Você acha ela feia? Beleza (perdão pelo trocadilho), mas repare que Nayara também é negra, mas não de traços parecidos com as anteriores.

  64. Alex Sandro disse:

    Bem Fernando, como você responde a todos, você é jornalista e fez um grande estudo a respeito e tem uma visão abrangente sobre o assunto. Acho que você deveria pesquisar o seguinte. Por quê ocorre esse perseguição contra os negros? Eu acompanho TV todos os dias e como você disse a mídia inteira é contra os negros. Eu vejo piadas com japoneses, alemães, poloneses, portugueses, homossexuais, políticos, contra brasileiros, argentinos, gaúchos, acrianos, loiras, Corintianos … Contra todos eles não é racismo é brincadeira, mas contra os negros a coisa é bem apelativa. baianos também como são a maioria negros normalmente pegam pesado com essa galera.

    Por favor né amigo!!! Quando a comunidade negra cria grupos de “defesa” a cultura negra são salvadores de liberdade, pois afinal defendem um grupo reprimido. Quando se faz uma brincadeira de mau gosto somos todos racistas. Acho que a comunidade negra brasileira tem que parar com essa mania de perseguição. O maior ídolo do Brasil é negro, ele se chama Edson Arantes do Nascimento. E começou a carreira na década de 50. a quase 60 anos. Será que todo menino branco ou negro não sonhou um dia ser o Pelé, o Neymar, o Ronaldinho Gaúcho? Aquilo que esses caras ganham num mês eu nunca vou ganhar na minha vida!! E você me diz que os negros são excluídos, são menosprezados. Quase todos os grandes atletas são negros. Você acha que os brancos não tem os negros como heróis? Somos todos racistas?

    Somos uma democracia, aqui nos não somos negros, brancos ou mulatos somos brasileiros. Aqui não existe cultura negra, cultura afro existe cultura brasileira. Pense nisso amigo.

    • Alex, eu começo com a situação hipotética: Piadas existem com todos, mas existem também diferentes motivos, né? A piada que você faz com um cara duas vezes maior que você tenta trazê-lo para seu campo de ação, onde você tem mais capacidade que a possível força física dele, já a piada que você faz com o ‘aleijado’ tenta te elevar o moral por meio do rebaixamento e quem você já sabe, no subconsciente, que é um alvo fácil. Então, piada não é só piada, é uma peça de comunicação como uma música ou um filme, onde há uma ideologia que passa, mesmo que de relance. Ali está impresso o estilo e o modo como o comunicador queria que soasse. Você não faz piada com o que acha ofensivo. Até comediantes que defendem essa lenda de ‘só uma piada’ já brigaram entre si por ‘piadas’ feitas um sobre o outro. Eles que se dilacerem.

      Outro ponto, que a gente martela, mas é difícil de explicar pela resistência de quem se sente tolhido no seu direito de discriminar: Não é mania de perseguição, cara. Tanto não acho o negro intocável que o tal do Pelé é um boçal que aponta o nariz pra onde oferecerem mais dinheiro. Renegou uma filha até a morte dela e está respondendo na justiça por ter também renegado os netos pequenos. Ele não é um babaca por ser negro, entende? Eu sei separar muito bem as coisas e também sei que muito negro, na ânsia de defender a causa da igualdade, acaba sendo radical, afobado e até rude, mas não é o meu caso, nem de muitos outros negros que pesquisam e escrevem com profundo conhecimento de causa. Até aí, sou muito mais fã do Senna do que do Pelé. Percebe que racismo não é simplesmente diferenciar tons de pele? É um sistema que vem desde sempre.

      Dizer que não existe nenhuma cultura que não a brasileira também é bem genérico, pois, o Samba (foco deste blog) é negro e veio absorvendo elementos de outras culturas, ele não deixou de ser samba, mas antropofagizou outras culturas. Assim como eu não me torno estadunidense por ser fã do Metallica. Ainda sou eu, mas com minhas particularidades. Me responda, o que sua sociedade de democracia racial fez com o negro após o 13 de maio de 1888? Você acha que deram belos empregos aos ex-escravos ou B, empurraram todos para cortiços, derrubados e em seguida, para favelas? Não é perseguição é injustiça social, muito menos espetaculosa como muitos falam e muito dura na realidade da maioria. Diz pro policial que prendeu o ator no lugar de um assaltante. Pra você, deve ter sido uma coincidência que aconteceria com qualquer um, não é? Isso acontece com muito e já ouvi de um policial, há muitos anos, que eles buscavam negros, entre 17 e 25 anos pra revistar nos ônibus. Só quem vive na pele sabe.

  65. Joyce disse:

    Bem, quem considera a Nayara Justino feia, não vai assumir publicamente que gostaria de ver uma mulher de pele mais clara, cabelos cacheados, com ares de Valéria Valenssa. A globeleza personifica a mulata exportação, lá do Sargentelli, talvez antes até.
    Ainda que o o Brasil tenha 51% da população negra, é fato que não estamos representados proporcionalmente nos programa de TV. A mulher negra a lá Taís Araújo e Camila Pitanga de vez em quando aparece, e retrata o perfil ‘aceitável’ de mulheres negras, miscigenadas, e fenótipo europeu, porém somos negras de diversos biotipos.
    O Brasil não retrata o preto na TV, e quando o exibe, reforça os lugares sociais, a mulata, a empregada doméstica, o malandro, o alcólatra. Penso que no caso da Nayara comparada com o Zé Pequeno, é pura ridicularização do ser negro, como vc já pontuou, Fernando. Isso não acontece do nada, serve para generalizar a negritude. Na infância, lembro-me de um colega da escola que gostava de me comparar ao Bob Marley porque eu usava tranças compridas, rs. Claro, eu sou parecidíssima com ele, vcs não acham?!
    No mais, aos que pensam ser exagerado o pensamento do Sagatiba , vistam a pele dele ou da Nayara e reflitam sobre o que é ser negro no Brasil, do nascimento à morte. Bjos

    • totys disse:

      não se trata de racismo se é negro ou não… para o caso em questão MULATA GLOBELEZA ela foi a mais feia de todas as edições…eu e a torcida do flamengo achamos…tinha outras candidatas negras mais bonitas, com mais atributos…

    • Palmas, palmas, Joyce! Estou pra ver UM negro que não tenha uma história de comparações a negros com traços específicos, como você falou. Tranças, black, acessórios, roupas, etc. Também estou pra ver UM branco/não negro que não use “ah, mas me chamavam de girafa na escola por que eu sou alto, isso e racismo?”, pra desqualificar o combate ao racismo. Pessoas como Rodrigo Constantino (Veja) ou Danilo Gentili (SBT) que reproduzem as verdades sociais da elite branca há tanto tempo que já acham que isso é lei da natureza. Ninguém vê racismo em lugar nenhum, já teve gente aqui falando até que tinha acabado há anos, sobrando só casos isolados. É com isso que lidamos. Descaso mental de um monte de gente que só fala no achômetro porque se sente contrariada.

  66. Belo texto. Irrepreensível. O que mais me perturbou na moça foi ela dizer que seu sonho era ser Globeleza desde criancinha. Critico a ideia, não o fato dela ter tido esse sonho. É temeroso vermos que estamos sendo condicionados desde pequenos a sermos aceitos dentro de um padrão imposto como certo. Lamentável. Tudo o que disse em teu texto coaduna com o exposto no filme “A Negação do Brasil”.

    • Pois é, Conde, primeiramente, obrigado pelas palavras de apoio. Direto ao assunto, existe muita camada de preconceito social por trás dessa “piada”, mas seria complicado escrever tudo isso e fazê-lo em menos de alguns meses de post (calma que a proposta fundamental aqui ainda é Samba e a cultura negra). Por isso, achei justo escrever sobre o principal, a falsa piada que generaliza negros, pois, as negras ‘gostosas’, eu mesmo conheço gente que não faz outra coisa senão cantarolar o tema globeleza. Já se não é gostosa, aí, está fadada a comparações que ó não são chamadas de racistas por muitos por que não foi com animais ou caricaturas. Então, muitos justificam pra poder se auto-absolverem em suas consciências. Nunca li A Negação do Brasil, mas já achei muita fonte de informação que o usava. Foi como ler o que eu penso, só que escrito por outros. Abçs

  67. Gil disse:

    No meu ponto de vista não houve racismo. A comparação de aparência física realmente existe e essa moça realmente é a mais feia de todas a concorrentes do concurso.

    • Gil, a questão não é a construção de padrões pra definirem gosto estético. A questão é que é de extremo mau gosto fazer tal comparação. Simplesmente não houve matéria ou montagem divulgada em que o foco seria a ‘injustiça’ feita com outras concorrentes do concurso. O que houve foi uma molecagem adolescente. Se o fato de um grupo de pessoas não gostarem da escolha de outro grupo justifica ofensas, então estamos no lugar que merecemos nos tempos de hoje. Não adianta reclamar que o ser humano não se respeita.

  68. riKK disse:

    Me desculpe ela n é feia é horrível, indiferente de ser negra, parda, mulata ou branca

  69. Eu concordo em muitas coisas que você disse mas em outras pra mim você falou besteira ninguém está achando ruim dela ser negra ou sendo preconceituoso não achamos ela bonita e pronto !!! agora tenho que achar por exemplo a Daiane dos Santos bonita por ser negra ah faça me o favor !!! prefiro muito mais a antiga globeleza Aline Prado que é mulata , tem descendencia indigena e é muito mais bonita… http://3.bp.blogspot.com/_7bZuLky2ImA/TVMG-2qsrjI/AAAAAAAAKa4/hQmNnVmZawY/s400/0%252C%252C46007027%252C00.jpg

    • Se você achar o trecho do texto onde eu digo que não a acharam bonita por ser negra e que deveriam fazê-lo, eu mudo de nome. Direto ao assunto, eu fiz todo um apanhado sócio-cultural sobre a condição da mulher negra e você pegou a parte que te incomodou pessoalmente. O termo ‘mulata’ é outra estupidez que advém de ‘mula’, a mistura entre a raça pura do cavalo e a impureza do burro, mas isso não vem ao caso. E daí que existem diversos rótulos impostos, você só escolheu o mais básico. A negra de pele mais clara, quase uma branca de pele escura, você achou mais bonita. Eu também acho bonita, só não vejo como você demonstra pacificamente que uma mulher é mais bonita que a outra comparando a um homem no papel de um vilão e ainda acha idênticos. O papo aqui é construção e contestação social e não o velho ‘eu acho’.

  70. lita disse:

    ela e feia mesmo olhos muito separados , esbugalhados e boca estranha …sejamos realistas bonitas são as negras/pardas de feições finas do tipo da ildi silva ,thais araujo ,beyonce ,kat graham ,jada smith ,sheron menezzes, rihanna e a aIman Abdulmajid(mulher do david bowie) e a simetria facial de determina a beleza do rosto e geralmente quem tem simetria facial são as pessoas de feições finas e tanto homens quanto mulheres de feições finas são muito mais bonitos e atraentes …rsrs

    • Absurdamente, você só usou o ‘português claro’ que muita gente não tem coragem de admitir. Não que seja um mérito ter a mente tão preconceituosamente programada como você, mas o racismo seria muito mais fácil de ser combatido se fosse admitido assim por mais pessoas, ao invés da hipocrisia de procurar meneios e argumentos furados. A grande verdade é essa, se o que o senso comum entende por bonito e feio é apenas programação de padrões, logo, essa padronização de beleza visual só pode ser racista, já que são justamente essas variações limitadas de beleza negra admitidas como bonitas. Obrigado por expor o racismo inerente a tantos que nem sabem que o têm. Triste, mas verdade.

      • lita disse:

        eu sou parda e tenho feições finas e todos os pardos e negros da minha familia tem as feições finas eu simplesmente não gosto de feições grossas não agrada os meus olhos acho feio para mim rosto tem que ser delicado e harmonico (eu nem sinto a menor atração por homens rusticos e não namoraria um homem de feições grossas ) a lupita nyong’ o tem a pele bem escura usa o cabelo bem curtinho e tem olhos e boca bonita ,olhar meigo e da de 100000 a zero nessa nayara … a lupita tem bocão tem as feições medias para fina e bem harmonicas e e bonita elegante e classuda coisa que a nayara não e …e vc não pode dizer que todo mundo e manipulado pela midia pois nem todo mundo e eu não sou vc não me conhece para falar uma merda dessas (vc não tem o direito de me acusar de ser racista sendo que eu não sou , eu sou parda esqueceu?….(aff e deixa de ser metido a dono da verdade ) se fosse assim eu não usaria um visual alternativo e nem teria uns gostos muito peculiares para a maioria das coisas que vão contra o censo comum……e outra beleza e igual a perna nem todo mundo tem …..beleza esta presente em pessoas de todas as etnias mas nem todo mundo tem a cara com feições finas /medias e harmonicas

      • Você é racista – só não sabe – manipulada pela mídia e parda não é carteirada de ‘pessoa livre de preconceitos’.
        Em momento algum falei da sua pessoa, suas respostas só embasam o que eu digo. Não é coincidência que a grande mídia empurre feições finas e claras como mais bonitas até a sociedade achar normal. É uma questão sociológica e não ‘achômetro’. Ou você acha que todas as opiniões que você formou vieram do além, sem ter sido cercada por um universo de informações que te influenciam? Vai nessa, matrix girl.
        Eu estudo a respeito, então não falo em individualidades, falo nas direções que a sociedade tem tomado de acordo com o que convenciona como ‘normal’, ‘bonito’ e ‘certo’.
        Novamente, não falei sobre você… até aqui. Então, internauta do meu coração, leia sobre o assunto para a próxima conversa, ok? Obrigado pelo debate. Pt Saudações.

  71. lita disse:

    ok mas eu acho feio traços grossos (independente do tom de pele da pessoa) da mesma forma que acho feio homens muito bombados …..então quer dizer que eu sou obrigada a achar bonita um homem ou mulher de traços grossos e isso? senão eu sou manipulada pela midia? tcs tcs francamente vc realmente e arrogante e metido a dono da verdade ….vc não aceita opinião contraria a sua ….e geralmente quem critica quem tem os traços finos e pq não os tem… ah e aposto que vc e um daqueles que critica homens brancos com mulheres negras ou pardas ou homens negros com mulheres brancas …ou acha que preto tem que casar com preto ou branco tem casar com branco …….. ah eu sou casada com um holandes e e com ele que vou ter meus filhos mas antes dele eu namorei outros estrangeiros rsrsrsrs

    • Você comete erros tão simplórios que parece ter 12 anos de idade. Aliás, conheço gente de 12 anos que responde melhor. Olha, vamos por partes: Não sou arrogante e nem superficial a ponto de comparar negros e musculosos como vítimas do mesmo preconceito social. Racismo tem estrutura secular e bombados nem são um grupo social, é uma condição física. E sim, aceito opiniões contrárias (as seções de comentários deste blog confirmam). O que você não entende é que eu posso respeitar opiniões e continuar defendendo a minha. Não é uma disputa. Próxima: Não critiquei traços finos, você inventou essa covardemente pra embasar seu argumento capenga (só faltou falar ‘é inveja’). Tem mais: Manipulada pela mídia você é, é só ver quantos artistas você citou pra defender seu racismo. Mas o racismo já existia antes da TV e da revista.
      Por último: Não sou contra uniões entre etnias e cores diferentes, eu mesmo já namorei mulheres brancas (sim, no plural), deixe pra apostar sobre a Copa, ok?
      Um debate se faz com argumentos, argumentos se formam com leitura, chegar e citar a própria família como se fosse a referência da sociedade dá nisso, conversas vazias sobre si mesmo.

  72. Pri disse:

    Fernando Sagatiba, parabéns pelo seu texto. Infelizmente, muitas pessoas não conseguiram compreender suas palavras em relação a comparação infeliz da nova Globeleza com Zé Pequeno, talvez por conta do racismo, como você mesmo mencionou, encontrar-se internalizado em nossa sociedade de tal forma que tal atitude é vista como apenas uma “brincadeirinha inocente” e realmente sempre quando o negro denuncia o preconceito que sofre é tachado de problemático ou paranoico . Além disso, você conseguiu expressar com palavras algo que já venho observando a algum tempo: em grupinhos de classe média, onde o negro é minoria, ele sempre é comparado a outro negro mesmo que não tenha nada a ver. Abraço.

  73. Caro Sagatiba,
    Admiro a sua paciência e sabedoria em lidar com pessoas que se utilizam do espaço virtual para vomitar preconceitos. Sinceramente, eu não tenho jeito para dialogar com pessoas que vem ao diálogo para propagar sua desinteria mental, mas sei que sem o diálogo, tudo fica mais difícil.
    Obrigada por desnudar os problemas da nossa falsa democracia racial e ter a pertinência de problematizar os pontos cegos deste discurso falido.
    Parabéns!!

    • Valeu mesmo, Joyce. Não é fácil manter a compostura, pra ser sincero. Modero muito meu linguajar porque sei que existe muita gente ignorante, mas o pior é o ignorante que não está nem aí pra conversa. São trolls que só querem perturbar o juízo dos outros e esvaziar nosso contexto. É como dizem, discutir com um ignorante vai te rebaixar ao nível dele e te fazer perder por falta de experiência no assunto. Repare o padrão, conforme vão ficando sem argumentos, começam a atacar as pessoas e por fim, acusam a gente de arrogante. Aí, já era, né? Melhor falar sobre o clima. haha. Abçs e volte sempre.

  74. anonima disse:

    A nova globeleza e toda linda! E questao do negro e mulato assumir sua pele e seus tracos, parar de ficar mascarando que e moreno etc… alias a cor morena nao existe,e o branco bronzeado de sol.

    • Valeu pela participação! Também acho que seria muito mais bonito que muita gente que se diz ‘moreninha’ se assumisse negra. Infelizmente, a história, a mídia e a sociedade de um modo geral, mantém valores retrógrados que imprimem uma certa vergonha em se assumir negro. Mas estamos na luta por conscientização. Abçs

      • Fernando parabenizo-lhe por estas palavras, sou Negra com muito orgulho, me amo pela autenticidade da minha pele, eu me acho bonita, e gosto de ser chamada de Negra, sim! O engraçado Fernando, que quando exijo que me chamem de Negra, e não de moreninha, mulata,e vários nomes que transmitem somente desejos por ver uma Negra, as pessoas me acusam de preconceituosa, só porque exijo algo que me é de direito, de ser Negra, eu nasci Negra, cresci Negra, e vou morrer Negra! Amei o seu artigo, entrei por acaso nesta página, e gostei!

      • Vera, muito obrigado e seja bem vinda sempre. Você usou uma palavra que resume bastante o que defendo na identidade negra: “me amo pela autenticidade da minha pele”. É exatamente isso que deveríamos fazer todos e é isso que “eles” não entendem em nós. Nos veem como exóticos e minoria, então, sendo normais, “eles” acham que nós é que queremos discriminá-los. Nem te aconselho a olhar os comentários desse e de outros textos, pois a maioria se enfureceu de tal maneira, como vampiros sob água benta. haha. Enfim, esse é um blog de Samba, enquanto cultura negra e esse assunto de construções sociológicas é recorrente. Venha sempre que quiser. Grande abraço!

  75. Mara disse:

    Chamar o outro de feio também não é preconceito? Me poupem acho que as pessoas deveriam ter mais respeito pelos outros. Aposto que muitos que hoje criticam fizeram parte dos 53% que colocaram ela como globeleza. Deixem a moça em paz!!!

    • É isso aí, Mara. Mesmo que eu não falasse em racismo, escalonar valor de pessoas por ‘nível de beleza’ é puro preconceito. É aquela escrotice de achar que pessoas “bonitas” velam mais que as “feias”, sendo que o referencial de beleza é subjetivo, pra não dizer inútil quando é padronizado. Abçs

  76. disse:

    No Brasil, mesmo as pessoas que se identificam como negras têm algo como de 30 a 60% de miscigenação com brancos. Tecnicamente são mulatos. O rótulo de “negro” para todos de descendência subsahariana é apenas cópia reflexiva do separatismo racial estadunidense. Não existe isso de “100% negro”.

    • Racismo não é biológico, é ideológico. Um sistema de dominação ideológica. Ler sobre isso antes de falar faz um bem danado e toda a diferença. E, já que o papo é ideológico, dizer 100% negro faz todo sentido sim. Pois é um grupo discriminado historicamente afirmando que não teme opressão do modelo europeu que determina padrões de beleza para cabelos, traços físicos, cor de pele e cultura ‘boa’ de ‘ruim’. O termo mulato vem de ‘mula’, essa vou deixar pra você pesquisar porque tem fácil, fácil na internet. E, pra terminar, separatismo racial nos EUA foi coisa dos brancos que, como aqui, não aceitaram ver o negro, antes escravo, como um cidadão igual a ele. Só que lá, o pessoal foi às ruas, brigou e conquistou direitos civis iguais. Lá, há produções inteiras feitas por negros, o presidente de lá é negro. Aqui, tem racista dizendo ‘somostodoshumanos’ e destilando seu veneno sob o falso pretexto de observador consciente da sociedade. Esse discurso seu é a cara do “racismo velado”, aquele que distorce tudo ao ponto simplista típico de quem não entende do assunto, mas quer falar replicando o que registrou na cuca por aí. Obrigado pela visita.

  77. disse:

    A imagem deveria trocar “repudio essa piada”, por “promovo essa piada”. Eu não tinha visto até agora, esses que dizem “repudiar” parecem estar mais é querendo promover. No mínimo é o efeito prático que tem. Mas talvez seja essa a verdadeira intenção mesmo.

  78. Rosemary Caetano disse:

    Fernando Sagatiba. Meu nome é Rosemary Caetano. Tem como eu entrar em contato com você?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s